• Vale Norte - Nativa Comunicação - 2º Banner - 14-11-17
domingo - 31/08/2014 - 11:45h
Dificuldade

Após quase 70 anos, Mossoró pode ficar sem nome na Câmara

Três candidatos do clã Rosado disputam espaço difícil e nenhum é apontado entre favoritos à eleição

Sinal amarelo para Mossoró. Sinal amarelo em relação à disputa à Câmara Federal.

Pela primeira em quase 70 anos contínuos, o município com o segundo maior colégio eleitoral do Rio Grande do Norte pode ficar sem eleger um nome nativo à chamada Baixa Câmara. Concorrentes mais competitivos como Sandra Rosado (PSB), Betinho Rosado Segundo (PP) e Fátima Rosado (PMDB) têm semanas decisivas pela frente. Período delicadíssimo.

Fafá e Sandra: direções distintas e um só foco (Foto: Cézar Alves)

Atualmente, Mossoró conta com Sandra e o primo e adversário partidário Betinho Rosado (PP) com mandatos em Brasília.

Porém enfrentam consideráveis dificuldades. Sandra, principalmente, de recursos financeiros elementares para fazer campanha andar até em sua terra natal; Betinho, de mobilidade e sobretudo de transposição de nome.

Sandra é candidata à reeleição; Betinho sequer é candidato. Seu nome foi indeferido pela Justiça Eleitoral e lançou às pressas o filho Betinho Rosado Segundo, “Betinho Segundo”. Praticamente  teve que começar nova campanha com o herdeiro, testado pela primeira vez num embate eleitoral.

“Motinha”

Quem estreia também na empreitada federal é a ex-prefeita Fafá Rosado, prima de Sandra e Betinho. Já esteve no grupo de um e de outro parente, mas marcha em faixa própria.

A exemplo dos primos, faz e refaz contas, precisando “estourar” votação em Mossoró e catar apoios expressivos fora. Não é fácil.

Mossoró começou a fincar os pés na Câmara Federal em sequência, ainda à época em que o Distrito Federal era o Rio de Janeiro. Por lá, na sede desse poder, o Palácio Tiradentes, desembarcou Vicente da Mota Neto, “Mota Neto”, o “Motinha” para os mais próximos.

Mota Neto: constituinte de 46 (Foto: Reprodução)

Foi deputado federal Constituinte de 1946 e ganhou outro mandato, com a eleição de Café Filho para vice-presidente de Getúlio Vargas, em 1950. Era seu suplente. Na época, a legislação permitia concorrer a mais de um cargo eletivo e com o duplo sucesso eleitoral de Café, houve abertura de vaga à sua titularidade.

Depois Mossoró teve ainda Dix-huit Rosado, Tarcísio Maia, Vingt Rosado, Laíre Rosado, Múcio Sá, Mário Rosado etc.

Há várias legislaturas, Mossoró vêm mantendo duas cadeiras e já chegou a ter três das oito vagas representativas do Rio Grande do Norte na fase de Brasília como Capital da República.

Eleições difíceis

Na atual campanha, nenhum dos nomes de Mossoró, com mandato ou não, figura entre potenciais eleitos ou favoritos. Podem “surpreender”.

A eleição de Betinho Segundo e Fafá é possível, mas difícil. A reeleição de Sandra, também.

Outros nomes estão registrados, tendo Mossoró como bastião, casos dos advogados Carlos Santana (PSL) e Wellington Barreto (PPS), além do ex-sindicalista Valmir Alves (PT). Bote na conta também Miguel Mossoró (PTC). Procuram somar para suas coligações e sabem como é distante o sonho do Planalto.

Sandra e Fafá fazem parte da mesma coalizão de partidos que apoiam a candidatura do presidente da Câmara Federal, Henrique Alves (PMDB), ao Governo do Estado. Uma pode terminar servindo indiretamente e à contragosto à eleição da outra, na soma de votos.

Com Betinho Segundo há outra situação indigesta e complicada. Virou candidato porque o pai não pode ser candidato. Entra na campanha com o “bonde andando” e está numa coligação por não ter outra escolha.  Não é caso de opção, mas de compulsória necessidade.

Está na Coligação Liderados pelo Povo, do vice-governador dissidente Robinson Faria (PSD), adversário político do grupo do seu pai e da governadora Rosalba Ciarlini (DEM).

Os três candidatos do clã Rosado parecem dividir para somar, em veredas diferentes. Contudo podem ver a sentença das urnas promover a subtração de espaços de Mossoró na Câmara Federal. Todos sabem disso, mesmo que disfarcem com discursos triunfalistas, a tese de uma vitória certa.

Eventuais eleitos

Hoje, em qualquer lista de eventuais eleitos, aparecem Walter Alves (PMDB), Rafael Motta (PROS), Felipe Maia (DEM) e Zenaide Maia (PR) da Coligação União Pela Mudança.

Sávio Hackradt (PDT), Antônio Jácome (PMN), Sandra Rosado, Rogério Marinho (PSDB), Fafá Rosado, Abraão Lincoln e Paulo Wagner viriam numa escala decrescente correndo atrás de duas cadeiras na mesma aliança.

Betinho Segundo com Robinson: gesto que sobrou (Foto: Divulgação)

Na Coligação Liderados pelo Povo, apenas um candidato tem motivos para sorrir antecipadamente: deputado federal Fábio Faria (PSD). Com possível eleição de dois candidatos a deputado federal, a segunda vaga pode ser de Adriano Gadelha, nome do bolso da candidata ao Senado e atual deputada federal Fátima Bezerra (PT).

À medida que Fátima sobe, puxa Adriano.

Um terceiro nome pode prosperar, mas não é fácil. Betinho Segundo luta para ser na verdade o segundo dessa coligação, visto que uma terceira cadeira seria algo mais dramático.

Sobrinho-afim da governadora Rosalba Ciarlini (DEM), Betinho é a última esperança dela de ficar, mesmo que indiretamente, com algum mandato. Sairá do governo sem direito à reeleição, não possui mais direta ou indiretamente a Prefeitura de Mossoró e ninguém a representando na Assembleia Legislativa. Betinho Segundo é sua aposta total.

Olhando tudo por outro ângulo diametralmente oposto, os Rosado sairiam bastante fortalecidos sob outra realidade: a eleição de Sandra, Betinho Segundo e Fafá, apesar de tantos percalços recentes. Não é impossível, mas é pouco possível.

SEM PREFEITURA – Vale ser assinalado, que depois de mais de 40 anos contínuos como inquilino direto ou indireto da Prefeitura de Mossoró, espécie de “Casa Grande” e símbolo de seu poder paroquial, os Rosado estão do lado de fora da Municipalidade. O prefeito Francisco José Júnior (PSD), após ser aliado de todos, sentou na cadeira de prefeito e tem candidatos próprios à Câmara Federal e Assembleia Legislativa. São “importados”, sem ligação alguma com o clã ou familiaridade com Mossoró e seu entorno.

É um novo tempo?

O passado já está escrito, como o distante ano de 1958, quando os irmãos Vingt e Dix-huit Rosado foram respectivamente candidatos a deputado estadual e Senado da República, sendo eleitos, ao lado do primo Tarcísio Maia, ungido à Câmara Federal.

Tomando Mossoró como base, os três formaram uma chapa informal conhecida como “DTV” (iniciais de Dix-huit, Tarcísio e Vingt), botando Mossoró no mapa da representatividade nas três casas legislativas. Estavam juntos, que se diga.

Quanto ao futuro, é aguardar. Ele pertence às urnas.

Categoria(s): Reportagem Especial

Comentários

  1. pablod diz:

    Sandra com dificuldade financeira e de locomoção? Kkkkkkkk piada né, acho que você leu pouco…

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Meu caro, você precisa reler o texto. Faça isso. E, se possível, da próxima vez se identifique corretamente. Abraços e obrigado pela leitura diária e fiel

  2. naide maria rosado de souza diz:

    Meu nome pode ser esperança. Mas, acredito que vamos ter surpresas e os Rosados, fora do Executivo, povoarão o Legislativo. Arrisco dizer que isso não acontecendo, o RN vai sentir falta deles. Ah! Vai.

  3. Leitor diz:

    Só lembrando, meu querido, que o partido da Deputada Sandra Rosado não é o PSD, e sim, o PSB.

  4. José diz:

    Alves e Maia querem deixar todo RN nas suas mãos,para poderem se perpetuar no poder e beneficiar suas famílias, não importa que o RN esteja que brado querem se dar bem.

  5. Sidney diz:

    Carlos Santos, no meu ponto de vista as coisas tá difícil pra senhora Fafá, Sandra se reelege.

  6. Antonio Augusto de Sousa diz:

    Era para os mossoroenses votarem em FAFÁ, SANDRA e BETINHO!

    À Cidade ficaria FORTE politicamente falando.

    NADA de voto para ESTRANGEIROS!

  7. lEIBAG diz:

    Acho que a unica que deveria fica fora é Fafá.. Deixou a cidade em uma verdadeira sucata. na experiência que tenho só entra Sandra. É muita articulada…sabe fazer a noite virar dia.. caixa existe. Veja a situação da APAMIM.
    Surpresa vai ter o LEONARDO…Pensei que tinha estudado e feito o dever de casa na aula de XADREZ…sendo aluno de Carlos Augusto, Ficou leso também…O Zé de uma rasteira em CARLOS..ele ficou esperando o Zé solta a colher pra comer. o ZÉ quebrou a colher e deixou ele na mão. A vida é um jogo, e a política é uma partícula do saber de um individuo que vira uma presa no tablado do espaço físico de vários interesse de um bem só comum..O PODER.Pelo poder a qualquer preço.!!!!!!!!!!!!!!!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.