• Vale Norte - Nativa Comunicação - 2º Banner - 20-09-17
quarta-feira - 23/11/2016 - 07:28h
Crime e castigo

O papel do advogado no ambiente criminal


A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) precisa abrir discussão sobre a linha tênue que separa o papel do operador do direito do “jagunço de gravata”, no ambiente criminal brasileiro. A sociedade espera da entidade e do advogado muito mais do que o glamour, próprio da atividade forense.

Luiz Carlos, do Direitos Humanos, em xeque (Foto: UOL)

O Ministério Público Estadual de SP (MPSP) e da Polícia Civil cumpriram, nessa terça-feira (22), 41 mandados de prisão e 65 mandados de busca e apreensão contra advogados e outros investigados suspeitos de ligação com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Desses presos, 40 são advogados e um deles é vice-presidente Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE), Luiz Carlos dos Santos.

Ele é acusado de receber R$ 130 mil do PCC, transformando-se num reles empregado da organização criminosa, em tarefas que iriam bem além da das prerrogativas da profissão e dos direitos dos réus do submundo.

Claro que qualquer indivíduo tem o direito à plena defesa e, sem o advogado, ninguém pode pensar na plenitude do direito e na possibilidade mínima de efetivação da justiça.

Entretanto a cada dia é mais frequente a eclosão de casos dessa natureza, como ocorrido em São Paulo. Questiona-se, por exemplo, a dimensão do anteparo dado pelo colegiado dos Direitos Humanos ao bandido, ignorando as vítimas dessa malta: policiais, cidadãos de bem, famílias de assassinados etc.

São Paulo tem mais de 350 mil bacharéis em direito. Uma multidão maior do que muitos municípios do país. Julgá-los por esses acusados de agora, é precipitarmos num dos piores erros do ser humano: o da generalização.

Haverá um juízo de valor que se formará na própria demanda judicial, em contraposição ao juízo de fato. Um, é julgamento; o outro, fria observação episódica.

Nem todos são bandidos, contudo será difícil não se atestar que parte deles, sim. Transformaram-se em pessoas tão ou mais perigosas que seus clientes.

A fruta podre, existente nessa ‘caixa’, precisa ser rapidamente extirpada.

Acompanhe o Blog também pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Artigo / Opinião da Coluna do Herzog

Comentários

  1. naide maria rosado de souza diz:

    Extirpar rapidamente para não desacreditar uma classe na qual há expoentes de grandeza em nossa história passada e na atual.

  2. paulo sergio martins diz:

    Agiotas, prostitutas e advogados: estou para ver outras ‘catchigurias’ que gostem de moeda sonante mais que essas três.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.