• Vale Norte - Nativa Comunicação
domingo - 17/01/2016 - 14:32h
Mossoró

Prefeito prepara 3º pacotão anticrise em pouco mais de 3 meses

Francisco José Júnior ignorou real tamanho dos problemas e toma decisões sem ter maior planejamento

Vem aí mais uma reforma, da reforma, da reforma. Parece brincadeira, mas é desorganização mesmo. Falta de planejamento, de foco.

O prefeito mossoroense Francisco José Júnior (PSD) vai anunciar mais um pacote contra a crise econômico-financeira (e de gestão) na Prefeitura de Mossoró, como o Blog antecipou na última segunda-feira (veja AQUI).

Bom esclarecermos: não será o primeiro pacote de medidas nessa direção. De outubro de 2015 para hoje, já foram dois “pacotes”. Esse será o terceiro ‘pacotão’ em pouco mais de três meses.

O primeiro, apresentado no dia 13 de outubro (veja AQUI) e outro já no dia 11 de novembro, menos de um mês após o anterior (veja AQUI).

Até exonerar a mulher (Amélia Ciarlini) e a cunhada (Mirella Ciarlini) das pastas do Desenvolvimento Social e Comunicação, respectivamente, o prefeito decidiu como forma de baixar custo da máquina em novembro. Pura propaganda.

Precarização de serviços

Em outubro, ao apresentar o Plano Municipal de Enfrentamento à Crise Econômica, o prefeito “Silveira” já tinha prometido uma economia de R$ 4,5 milhões por mês, mas deixando escapar bobamente que mesmo assim o débito/mês estaria em torno de R$ 4 milhões.

Destacam-se a redução de 10% do subsídio do prefeito e autorização para que o vice-prefeito e secretários municipais procedam do mesmo modo; redução de 50% de gastos com plantões e aulas excedentes e 10% dos cargos comissionados.

Enfim, uma conta que já começava errada e os meses seguintes provaram que não poderia bater mesmo. Pipocou atraso salarial de forma mais ampla, precarização de serviços básicos como saúde e limpeza pública, só para citarmos os mais visíveis.

Proposta ignorada

O que vem por aí é na verdade uma proposta – ou base dela – que o então secretário do Planejamento, Josivan Barbosa, apresentou ao prefeito no final de setembro e início de outubro de 2015. Derivou de estudo minucioso sobre a máquina pública e sugeria cortes radicais em número de secretarias, cargos comissionados, imóveis e veículos alugados, por exemplo.

A Prefeitura poderia trabalhar no máximo com dez secretarias, além de pouco mais de 250 cargos comissionados.

O prefeito achou muito radical e botou ‘panos quentes’, acreditando no seu faro político e engenhosidade gerencial. Errou feio.

Foi obrigado a novo pacote em novembro.

Por lei, a gestão tem o direito de nomear 735 cargos em comissão. No início de seu Governo, o prefeito havia reduzido para 723 e em novembro teria encolhido modestamente para 651 cargas. Nada de impacto, apenas redução residual.

Volta, ‘interino’

Nesse ínterim, não faltaram casos de novos alugueis de imóveis, mais recursos à propaganda e outros gastos supérfluos, que contrariam o que o gestor prega.

Agora em janeiro, mais um pacote que será realmente radical ou ficará no plano do ‘me-engana-que-eu-gosto’. Dinheiro público não aceita tanto desaforo, desleixo e tamanha desfaçatez.

No final do ano passado, o prefeito admitiu que poderia tomar novas medidas amargas, esquecendo eventuais desgastes políticos. Segundo ele, seria o ‘prefeito da interinidade’ (veja AQUI), que antes de ser eleito agia e pensava diferente.

Daqui para frente, tem que contrariar toda sua bancada de 16 vereadores, lideranças partidárias que lhe dão apoio e outros próceres políticos – se quiser pelo menos concluir a administração em paz.

Simplificando: a máquina municipal pode ter menor serventia para escambo político-eleitoral.

Acredite, se quiser.

Categoria(s): Política / Reportagem Especial

Comentários

  1. Lair Solano vale diz:

    Boa noite. Nenhum prefeito precisa se preocupar com “choro” de vereador, porque ? Não vão desaprovar os projetos que for de interesse da cidade. Na hora de pedir voto , na sua maioria, vão se preocupar com eles. Se Silveira ainda pensa em ser político, é urgente melhorar a administração e conseguir um pouco de credibilidade, seu maior problema atual. FALE MENOS e FAÇA PELO MENOS UMA SAÚDE DE QUALIDADE . Nosso governador também é culpado, sem falar no segundo governo Dilma que só sufoca as administrações municipais. Boa sorte, pois como ganho minha vida aqui torço por uma Mossoró Melhor.

  2. José Claudio de Farias Montenegro diz:

    O problema de Mossoró também são esses vereadores puxa saco dos prefeitos da ocasião. estão sempre mamando nas testas da prefeitura, esses que dão apoio ao atual prefeito, no próximo ano continuam no poder, seja quem for eleito … Tem funcionário de cargos comissionados, principalmente das escolas, vão fazer 20 anos como diretores.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.