segunda-feira - 20/03/2017 - 09:40h
Opinião

Sem medo de cortar a própria “carne”


Agronegócio, saúde e corrupção estão na pauta da Operação Carne Fraca. Algumas vozes já emplacam ponderação de que tudo deveria ser tratado de outra forma, para “não prejudicar as exportações” do país.

A linha de raciocínio é praticamente igual quando da eclosão e avanço da Operação Lava Jato.

Muitos advogavam que os procuradores federais, Polícia Federal e o juiz Sérgio Moro precisavam levar em conta a importância da indústria da construção civil e o papel das gigantes do setor à economia, emprego e renda.

Os dois casos me remetem a uma proposta que circulou na Câmara Municipal de Mossoró há alguns anos, quando se tornou frequente o assalto na cidade, com bandidos encobertos por capacetes, em motos. Um vereador propôs que fosse proibido o uso desse equipamento de segurança, que servia de “máscara” aos assaltantes.

Produtos brasileiros vão a mais de 150 países (Foto: ilustrativa)

O problema do Agronegócio, da Construção Civil e dos assaltos é de polícia e justiça, sim. Mas não sob a ótica distorcida que abordo no preâmbulo desta postagem.

Tentar desqualificar a investigação, sob esse ângulo, é mais uma forma de revelar como somos permissivos com o crime, medindo-o ou o endossando, conforme jogo de interesses.

As gigantes envolvidas nesse escândalo, como é comum, estão mergulhadas também no financiamento de campanhas políticas. Sempre foram grandes financiadoras de partidos e seus candidatos, à direita e à esquerda.

Aplausos pelo crescimento e expansão desse negócio que se espalha por mais de 150 países, revelando a competência da indústria nacional. Mesmo assim, ninguém lhes disse que estavam acima da lei, inclusive comprometendo a saúde de milhões de pessoas.

É inadmissível que sejamos condescendentes com eventuais distorções de superlativas corporações empresariais, ao mesmo tempo que revelamos nossa crueldade crítica e fiscalizadora em relação ao açougueiro do Mercado Central, o bodegueiro do Santa Delmira e o supermercadista do bairro Santo Antônio.

Particularmente, não creio que estejamos exportando carne podre para tantos recantos do mundo, muitos dos quais com eficiente fiscalização. Mas não duvido que o rebotalho da qualidade em boa parte esteja chegando às nossas mesas.

Pelo sim, pelo não, apoiemos a fiscalização e punamos eventuais excessos.

Numa economia de mercado, o capital muitas vezes não tem limite em sua voracidade. Precisa ser contido.

O monopólio e o oligopólio costumam fazer muito mal à maioria, por isso que precisamos de redes limitadoras, para que a competição não ocorra sobre regras criminosas, favorecendo os mais expertos e inescrupulosos.

As gigantes brasileiras que se apresentam entre as maiores empresas de proteína do planeta e, empreiteiras, limitam o fortalecimento de novas marcas e concorrentes, impondo a elas uma espécie de nanismo empresarial. Se adotarem boas práticas com consumidores, a lei e o Estado, não têm o que temer. Continuarão gigantes e com nosso aval de consumidores.

Esse país não pode temer cortar a própria “carne”.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Opinião da Coluna do Herzog

Comentários

  1. João Claudio diz:

    Perceberam?

    A primeira ação do governo brasileiro foi convocar os embaixadores de países importadores para dizer-lhes que ”não é bem assim, a policia exagerou, isso é um fato isolado”.

    Ou seja, primeiro lá fora, depois aqui dentro. Atitudes assim fazem parte de um país de terceira.

    Se o país fosse sério, o governo já teria dado ordens para fiscalizar todos os frigoríficos, independente de terem sido denunciado ou não.

    A resposta à Esculhambação³ chegou mais rápido que a velocidade da luz.

    Os países importadores já frearam as importações de carne, frango, porco e o escambau. Eu axepôco.

    Os brasileiros perdem uma ótima oportunidade de fazer o mesmo. Se o povo parar de comprar carne durante uma semana, a qualidade melhora e o preço vai lá pra baixo.

  2. João Claudio diz:

    Mais:

    O feijão, o milho, o arroz e o trigo estão sendo envenenados. As frutas e legumes, idem. Vidro moído está sendo misturado ao café. Água, ureia, soda caustica e água oxigenada estão sendo misturado ao leite, enfim, está tudo descontrolado.

    Apenas os fiscais do governo estão sob controle. Cada um mais rico que o outro.

    Se o industrial ”molhar” a mão deles, a carimbada tá garantida.

    E assim caminha um país de terceira. Para trás.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.