quinta-feira - 12/01/2017 - 09:02h
Mossoró

Ministro visita UPA e promete empenho para apoio financeiro


O ministro da Saúde, Ricardo Barros, iniciou sua programação de visita a Mossoró nesta quinta-feira (12) – veja agenda AQUI.

Na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Belo Horizonte, conhecendo suas instalações e dialogando com funcionários, a promessa de diligenciar para que esse núcleo de saúde possa receber insumo financeiro do  Governo Federal.

Ricardo Barros (centro, o mais alto, por trás dos servidores) visitou UPA agora pela manhã (Foto: PMM)

“Um de nosso principais pleitos é o credenciamento da UPA do BH. E a qualificação das outras UPA’s existentes na cidade”, assinalou a prefeita Rosalba Ciarlini (PP), ladeada pelo deputado federal Beto Rosado (PP), que fomentou o desembarque de Barros na cidade.

Farsa da “inauguração”

A UPA do Belo Horizonte foi inaugurada com festa ruidosa no dia 28 de dezembro de 2012, quando faltavam três dias para o final do mandato da então prefeita Fafá Rosado (PMDB). Ela sabia que tudo era uma farsa, pois só existia o prédio (assim mesmo por ser concluído).

Coube ao prefeito Francisco José Júnior (PSD), ainda na interinidade, fazê-la funcionar com recursos próprios do município no início de 2014, tentando paralelamente em toda sua administração, apoio da União para credenciar a UPA. Ousou, que se diga.

Antes dele, a prefeita que substituiu Fafá, Cláudia Regina (DEM), trabalhou com igual objetivo mas não se arriscou a botar a UPA para funcionar com recursos da Prefeitura.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Saúde
domingo - 08/01/2017 - 21:26h
Mossoró

‘Rombo’ em Prefeitura ainda não tem medida nem é ‘obra’ nova


Próximo prefeito de Mossoró vai pegar um passivo na Prefeitura que passará dos 140 milhões.

Essa informação no parágrafo acima foi postada com exclusividade pelo o Blog Carlos Santos no dia 26 de setembro do ano passado, às 9h48 (veja AQUI), há quase quatro meses.

Hoje (domingo, 8 de janeiro de 2017), a prefeita mossoroense Rosalba Ciarlini (PP) fala em entrevista ao jornal Tribuna do Norte, que “até agora não conseguimos levantar tudo, mas os débitos já chegam a mais de R$ 130 milhões”.

Francisco assumiu máquina em queda livre e Rosalba não pode culpá-lo para sempre (Fotos: arquivo)

Caminha para ser maior. Até bem maior, por várias razões.

Quando assumiu a Prefeitura de Mossoró em 2013, Cláudia Regina (DEM) recebeu um volume de dívidas que ultrapassaria os R$ 74 milhões – derivada da era Fafá Rosado (PMDB).

Em 13 de janeiro de 2014, Francisco José Júnior (PSD), ainda na interinidade, atestou que esse rombo estava acima dos R$ 46 milhões (veja AQUI).

De lá para cá, tivemos continuada queda em receitas diretas e indiretas, decisões administrativas comprometedoras, conjuntura nacional desfavorável e outros problemas.

Em 10 de outubro de 2013, às 10h10, o Blog postou reportagem especial mostrando o quadro financeiro próprio da gestão Cláudia Regina, num comparativo com o último ano da segunda administração de Fafá (veja AQUI). Começava a despontar instabilidade e o pior poderia vir. E veio.

ARRECADAÇÃO DIRETA

2012                                                      2013

Janeiro – R$ 5.164,290,73          Janeiro – R$ 6.291,561,75
Fevereiro – R$ 4.315,734,45     Fevereiro – R$ 4.056,959,02
Março – R$ 8.387,322, 35           Março – R$ 6.409,340,26
Abril – R$ 4.831,008,15               Abril – R$ 4.759,411,85
Maio – R$ 5.109,170,73               Maio – R$ 7.381,950,24
Junho – R$ 5.234,152,87             Junho – R$ 4.746,324,87
Julho – R$ 5.460,837,09             Julho – R$ 5. 059,316,43
Agosto – R$ 5.600,450,43          Agosto – R$ 4.684,007,68

No pacote de receitas próprias que definhavam entram Imposto sobre Serviços (ISS), o principal, taxas diversas, multas e juros, dívida ativa, Imposto Sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) etc..

Apesar do “sinal amarelo”, compromissos políticos do governo inundaram a Prefeitura com novos cargos comissionados, por exemplo. Cláudia foi ejetada da Prefeitura no dia 5 de dezembro do mesmo ano, já sentindo abalos nas contas públicas.

Daí em diante, a “batata quente” caiu no colo do interino e depois prefeito eleito (em disputa suplementar no dia 4 de maio de 2014) Francisco José Júnior.

Cláudia e Fafá: números em queda (Foto: arquivo)

Com o prefeito envolvido ferozmente na campanha municipal suplementar e outra estadual no mesmo ano de 2014, parece que a municipalidade ficou em segundo plano. Queda nas receitas diretas (em especial com desmanche na atuação da Petrobras) e de transferências, tem atrofiado continuadamente o erário.

A Prefeitura de Mossoró chega às mãos de Rosalba como reflexo de anos de gestões carregadas de erros e um cenário desfavorável.

Crise

Culpar tão-somente o ex-prefeito é miopia, má-fé ou desconhecimento de causa.

A crise é nacional, sim. Mas existem ilhas de equilíbrio, obtidas com coragem, ousadia e respeito às contas públicas. Priorizar interesses de compadres, familiares, grupos e negócios escusos não vão ajudar à Prefeitura e Mossoró.

As escolhas da prefeita Rosalba Ciarlini dirão muito do que virá adiante. Choramingar e praguejar o antecessor vão criar couraça protetora durante algum tempo, mas não resolverão seus problemas e da municipalidade.

Essa fórmula, ela adotou como governadora e saiu com reprovação expressiva, até alijada do projeto de reeleição. Francisco José Júnior será útil ao seu marketing defensivo até quando?

Saberemos.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Segurança Pública/Polícia
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
quarta-feira - 04/01/2017 - 16:38h
Francamente

Os comissionados e o rabo do macaco


Tem gente espantada com a quantidade de comissionados na era “Francisco”, gestão do ex-prefeito Francisco José Júnior (PSD).

Mas não estranhava quando era bem pior com Fafá Rosado (PMDB), Cláudia Regina (DEM) e Rosalba Ciarlini (PP).

Como diria minha santa mãezinha…”Macaco não olha pro próprio rabo”.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Só Pra Contrariar
terça-feira - 03/01/2017 - 21:34h
Mossoró

Prefeitura tentará recursos federais para manter UPA aberta


Secretário da Saúde Municipal de Mossoró, o enfermeiro Benjamim Bento disse hoje à noite no programa “Cenário Político” da TV Cabo Mossoró (TCM), que o governo Rosalba Ciarlini (PP) tem planos definidos para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do bairro Belo Horizonte.

- Vamos tentar habilitá-la no Ministério da Saúde – afirmou ele. Simplificando: mantê-la em funcionamento, mas com recursos do Governo Federal, como ocorre com as outras duas – dos bairros São Manoel e Santo Antônio.

UPA fechada estava se deteriorando, apesar de "inaugurada" por Fafá ( Foto:Wilson Moreno)

- Não se admite não receber um único recurso federal – acrescentou o secretário, que disse ter começado estudo para diligenciar providências nesse sentido.

A UPA do Belo Horizonte foi “inaugurada” pela então prefeita Fafá Rosado (PMDB) no dia 28 de dezembro de 2012, quando faltavam três dias para o final de sua administração. Entregou-a com festa ruidosa, apesar de saber que não seria aberta no dia seguinte.

Sua sucessora, Cláudia Regina (DEM), não conseguiu botá-la para funcionar,  pois só existia tão-somente estrutura física e inexistiam meios financeiros para esse fim. Coube ao prefeito interino Francisco José Júnior (PSD) efetivamente operacionalizar a UPA no início de 2014, com quatro médicos de plantão e amplos serviços.

Depois houve queda continuada da qualidade do seu trabalho.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Saúde
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
quinta-feira - 10/11/2016 - 18:00h
Mossoró

Oposição trabalha nome para presidência da Câmara


Alex: reeleição e foco presidencial (Foto: Valmir Alves)

Eleito pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB) para o segundo mandato, o vereador Alex do Frango vem sendo lapidado para ser candidato a presidente da Câmara Municipal de Mossoró no primeiro biênio da próxima legislatura.

Tem padrinhos na oposição.

Por trás dele, que compõe bancada do prefeito Francisco José Júnior  (PSD), está o ex-candidato a prefeito Tião Couto (PSDB).

A ex-prefeita Cláudia Regina (DEM) também está entre os principais articuladores, até por sua maior experiência e vivência política.

Veremos.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
segunda-feira - 10/10/2016 - 11:36h
Pós-eleições 2016 II

Voto se revela um ativo de alto risco na política de Mossoró

Francisco José Jr. teve votos expressivos e perdeu tudo; Rosalba e Tião têm alto capital a ser cuidado

Tratássemos do “voto” pelo ótica das Ciências Econômicas, poderíamos afirmar com segurança que é o caso típico de um “ativo” frágil. Seria uma “moeda” flutuante, sujeita às volatilidades de riscos, conforme o momento ou externalidades referentes às eleições e à dinâmica da própria política.

Como investimento que pode se dissipar rapidamente, em questão de poucos anos ou mesmo dias, ninguém pode afirmar com segurança que é “dono” desse capital. Albergar-se nele com nariz empinado, tratando-o por “meu”, é como dormir com o inimigo.

Em 2014, Francisco José Júnior se capitalizou com votação expressiva que depois foi sumindo até virar pó (Foto: arquivo)

Os casos de falta de liquidez desse ativo tem-se tornado comum na política brasileira. Muitos se capitalizam numa eleição e às vezes não chegam à próxima em condições de bancar novo investimento.

Talvez o caso mais emblemático e próximo que temos a narrar seja do ex-vereador, prefeito interino e depois prefeito eleito em disputa suplementar Francisco José Júnior (PSD). Em pouco mais de dois anos, ele viu seu ativo de 68.915 (53,31%) votos simplesmente desaparecer.

Eleito à Prefeitura de Mossoró no dia 4 de maio de 2014, quase dois anos e 5 meses depois chegou às eleições deste ano sem sequer sustentar candidatura à reeleição.

Eleições de 2014 (Pleito Suplementar):

- Francisco José Júnior (PSD) – 68.915 (53,31%);
- Larissa Rosado (PSB) – 37.053 (27,55%);
- Raimundo Nonato Sobrinho, “Cinquentinha” (Psol) – 3.825 (4,90%);
- Josué Moreira (PSDC) – 3.025 (3,88%);
- Gutemberg Dias (PCdoB) – 2.265 (2,90%);
- Brancos – 4.428 (3,29%);
- Nulos – 15.000 (11,15%)
- Abstenção - 30.429 (18,45%);
- Maioria pró-Francisco José Júnior de 31.862 (25,76%).

Espécie de “ativo flutuante”, o voto maciço que “Francisco” (como passou a ser denominado na campanha eleitoral deste ano) empalmou em 2014, paulatinamente foi sendo perdido. A evaporação vinha sendo constatada há tempos por pessoas com o mínimo de bom senso, distanciamento crítico e conhecimento dos primados da política eleitoral de Mossoró.

Micarla: drama na Justiça (Foto: G1/RN)

Cego diante do espelho do seu ego, cercado por espertalhões que lhe incensavam e conselheiros estúpidos, Francisco empobreceu a ponto de não ficar com um níquel de votos. Nunca antes na história de Mossoró e em raras ocasiões na política.

Similar, próximo, temos em Natal com a ex-prefeita Micarla de Sousa (eleita pelo PV) que em 2008 foi consagrada nas urnas e em 2012 ganhou título de governante mais rejeitada do país, com mais de 90% de reprovação. Foi catapultada do cargo antes do fim do mandato e hoje vive às votas com a Justiça.

Milionário e sem votos

Francisco José Júnior é o “investidor” que não estava atento ao “mercado”. Empavonou-se. Ignorou sinais claros de tempestades e insistiu em aplicações erradas, comprometendo o bem primário adquirido em maio de 2014.

Contabilista por formação, tornou-se milionário na vida privada (veja AQUI) em pouco mais de dois anos na Prefeitura, mas na política se revelou um desastre, com déficit superlativo de votos.

O Blog tratou desse assunto com visão premonitória, o alertando através de matéria especial publicada no dia 6 de maio de 2014. Porém o prefeito recém-eleito preferiu se considerar um líder ungido pela maioria dos eleitores. Para ele, os votos eram apenas seus. Ledo engano. Era um crédito pré-fixado, não um salvo-conduto para tantas aberrações administrativas e políticas.

Novo prefeito ganha para dividir história ou confirmar os Rosado” (veja AQUI), assinalamos na matéria que explicava o significado da vitória de Francisco José Júnior, até então um humilde prefeito, que ouvia a todos, valorizava o servidor e prometia atender aos anseios populares.

Novo prefeito ganha para divir história ou confirma os Rosado –  06/05/2014 – 11:51h

A votação de Silveira (Francisco José Júnior) tem DNA multifacetado, onde se incluem – ainda – até consideráveis votos de seguidores de Rosalba Ciarlini e Cláudia Regina (DEM), que enxergaram no palanque de Larissa Eosado (PSB) “um mal maior”. Ambas declararam “neutralidade” no pleito. A maioria dos seus eleitores captaram a mensagem subliminar.

Em tese, a vitória de um não-Rosado causaria menor estrago a ambas do que a entronização do ramo familiar comandado por Sandra Rosado, legítima herdeira do “doutor Vingt”, Vingt Rosado, seu pai.

Ao mesmo tempo, a vitória espelha sentimento de mudança, mas não de seis para meia dúzia, de uma oligarquia multidecenal para outra emergente – o “Silveirismo” (!!).

Entender o significado de uma vitória ou mesmo saber fazer leitura de uma derrota, é como funciona a cabeça de um investidor competente. Seus ativos podem se volatizar num piscar de olhos ou se robustecer. Preservar o básico para sobreviver e tentar novos saltos, também faz parte do jogo.

Nas eleições de 2016, Silveira acabou sendo o principal cabo-eleitoral de quem ele pretendia banir da política: a ex-governadora e ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PP).

Sua gestão caótica, serviu para que a candidata produzisse um marketing de comparação e escondesse a passagem sofrível pelo Governo do Estado. De lá, a propósito, sequer conseguiu meios à tentativa de reeleição por estar soterrada com mais de 80% de rejeição.

O prefeito teve que desistir da própria candidatura (veja AQUI) à reeleição por falta de ativo elementar: voto.

Eleições 2016

- Rosalba Ciarlini (PP) – 67.476 (51,12%)
- Tião Couto (PSDB) – 51.990 (39,39%)
- Gutemberg Dias (PCdoB) – 11.152 (8,45%)
- Josué Moreira (PSDC) –  1.370 (1,04%)
- Francisco José Júnior (PSD) – 602 (Votos inválidos)
- Branco – 2.974 (2,06%)
- Nulo – 9.416 (6,54%)
- Válidos – 131.988 (91,40%)
- Eleitores Aptos – 167.120
- Abstenção – 22.683 (13,59%)
- Maioria pró-Rosalba Ciarlini de 15.486 (11,73%).

Rosalba capitalizou-se com votação – 67.476 (51,12%) votos  – consagradora, mesmo que paralelamente visse nascer um nome que surpreendeu com 51.990 (39,39%) votos na estreia nas urnas, o empresário Tião Couto (PSDB).

Rosalba e Tião: muito ativo a ser administrado (Foto: montagem)

Os dois, vencedora e vencido, têm um bom exemplo a não seguir: Francisco José Júnior, Francisco, Silveira ou seja lá que nome venha a adotar adiante – se conseguir sobreviver à própria tsunami que provocou em sua vida política.

O farto capital de hoje pode se esgarçar adiante. Não ficará disperso. Tende a mudar de mão e de mãos. O que foi de Francisco José Júnior já não lhe pertence mais. Na verdade, era um ativo que exigia muito zelo em seu investimento.

O voto  não some. Como todo ativo de alto risco, exige muita habilidade para não mudar de mão.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
sexta-feira - 16/09/2016 - 11:33h
Mossoró

A herança maldita que espera o próximo prefeito


Cláudia Regina (DEM) teria recebido a Prefeitura de Mossoró com passivo da ordem de R$ 74 milhões;

Francisco José Júnior (PSD), o “Francisco”, afirmou que teria constatado montante superior a mais de R$ 46 milhões de ‘rombo’no erário.

E quanto ele, Francisco, deixará pro seu sucessor a partir de 1º de janeiro de 2017?

Hein?

De quanto será essa herança maldita?

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Administração Pública / Eleições 2016
domingo - 11/09/2016 - 14:14h
Programa de Tião Couto

Justiça não dá direito à Rosalba de se defender sobre Nogueirão


O juiz Breno Valério Fausto de Medeiros da 33ª Zona Eleitoral (Mossoró) emitiu despacho considerando “improcedente” pedido da Coligação Força do Povo, que arrima a candidatura a prefeito da ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Em sua representação, ela pretendia direito de resposta no programa da Coligação Unidos Por Uma Mossoró Melhor.

Rosalba, Tião e "Francisco" têm o Nogueirão no centro de uma polêmica que não é de hoje (Foto: montagem)

Rosalba pleiteava espaço para responder a trecho de programa do candidato a prefeito, Tião Couto (PSDB), em referência à promessa de reforma e ampliação do Estádio Manoel Leonardo Nogueira (Nogueirão), que remonta à campanha municipal de 2012.

Segundo o magistrado, “as inúmeras matérias jornalísticas mostram que as declarações dos representados quanto ao Estádio Nogueirão não podem ser vistas como ilícitas, pois não são inverídicas, cabendo às postulantes a utilização, se assim desejarem, de sua própria propaganda eleitoral para esclarecer detalhes e aspectos que não tenham sido explanados pela crítica adversária”, assinalou o Ministério Público Eleitoral (MPE).

Breno Valério acatou arrazoado da defesa e parecer do próprio MPE, para embasar sua decisão.

Em 2012, governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba apoiava a então vereadora Cláudia Regina (DEM) à Prefeitura, na sucessão da prefeita Fafá Rosado (DEM, hoje no PMDB).

O irônico desse enredo, é que Cláudia e Fafá hoje estão no palanque justamente de Tião Couto. O Estádio Nogueirão foi municipalizado na gestão do atual prefeito Francisco José Júnior (PSD), o “Francisco, e continua com boa parte de sua estrutura física interditada, em nome da segurança dos torcedores, atletas etc.

Sua interdição só não é total na atualidade, por ações da própria administração municipal vigente.

Veja AQUI a íntegra da posição do magistrado da 22ª Zona Eleitoral.

Nota do Blog - O mesmo juiz emitiu despacho favorável à Coligação Força do Povo em outra demanda, considerando que ela tem direito de resposta de 01 minuto e 07 segundos em outro programa de Tião Couto, para dar sua versão sobre denúncia do candidato.

Segundo a representação, os fatos inverídicos foram apresentados no programa do dia 05.09.2016.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
domingo - 11/09/2016 - 13:02h
Eleições e números

Escassez de pesquisa hoje contrasta com ‘avalanche’ de 2012


Faltando 21 dias para as eleições de 2 de outubro em Mossoró, não existe uma única pesquisa registrada e divulgada, que possa sinalizar o comportamento do eleitorado nesse momento, em relação à corrida eleitoral à Prefeitura. Estranho, estranhíssimo.

Mas existem algumas explicações para o fenômeno. Um deles, é que quem está bem à frente dos demais adversários, não estaria no patamar desejado e os que estão bem atrás, não se sentem confortáveis em revelar essa desvantagem.

Sete institutos

Num comparativo com 2012, quando houve a última disputa regular à municipalidade, o quadro é realmente ímpar. Àquele ano, houve a publicação de 18 pesquisas, envolvendo cinco órgãos de imprensa e sete institutos de pesquisas do estado, de Pernambuco e de Minas Gerais.

Nas urnas – dia 7 de outubro de 2012, venceu Cláudia Regina (DEM), então vereadora e integrante do grupo governista:

Eleições 2012 em Mossoró em números finais:

Larissa e Cláudia: decisão apertada (Foto: montagem)

Cláudia Regina (DEM) – 68.604 (50,90%)
Larissa Rosado (PSB) – 63.309 (46,97%)
Josué Moreira (PSDC) – 1.932 (1,43%)
Raimundo Nonato Sobrinho (Psol), “Cinquentinha” – 948 (0,70%)
Edinaldo Calixto (PRTB) – 0 (0%)
Votos Apurados – 143.853
Votos Válidos – 134.793 (93,70%)
Votos em Branco – 2.323 (1,61%)
Votos Nulos – 6.737 (4,68%)
Abstenções – 21.122 (12,80%).
Maioria de Cláudia Regina sobre Larissa Rosado: 5.295 votos (3.93%)

Veja abaixo o resultado das 18 pesquisas num resumo feito pelo Blog Carlos Santos, como material documental, para pesquisas e boa discussão.

Bom proveito. E tire suas conclusões.

Julho de 2012:

Estimulada – Blog do Carlos Santos/Consult – Realizada nos dias 3 e 4 de julho

Larissa Rosado (PSB) – 46%
Cláudia Regina (DEM) – 28%

Espontânea – Blog do Carlos Santos/Consult – Realizada nos dias 3 e 4 de julho

Larissa Rosado (PSB) – 20,33%
Cláudia Regina (DEM) – 9,67%

Estimulada – TCM/Certus – Realizada nos dias 12, 13 e 14 de julho

Larissa Rosado (PSB) – 42,60%
Cláudia Regina (DEM) – 31,40%

Espontânea – TCM/Certus – Realizada nos dias 12, 13 e 14 de julho

Larissa Rosado (PSB) – 29,60%
Cláudia Regina (DEM) – 22%

Agosto de 2012:

Estimulada -  TCM/Certus – Realizada nos dias 31 de Julho, 1º e 2 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 42,40%
Cláudia Regina (DEM) – 36,20%

Espontânea – TCM/Certus – Realizada nos dias 31 de julho, 1º e 2 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 31,40%
Cláudia Regina (DEM) – 25,60%

Estimulada – Blog do Carlos Santos/Consult – Realizada nos dias 3 e 4 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 47,17%
Cláudia Regina (DEM) – 31,33%

Espontânea – Blog do Carlos Santos/Consult – Realizada nos dias 3 e 4 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 33,33%
Cláudia Regina (DEM) – 21,67%

Estimulada – Correio/Start – Realizada nos dias 19 e 20 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 46,2%
Cláudia Regina (DEM) – 38%

Espontânea – Correio/Start – Realizada nos dias 19 e 20 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 44,2%
Cláudia Regina (DEM) – 33,3%.

Estimulada – Gazeta do Oeste/Cipec-PE – Realizada nos dias 21, 22 e 23 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 48,8%
Cláudia Regina (DEM) – 36,9%

Espontânea – Gazeta do Oeste/Cipec-PE – Realizada nos dias 21, 22 e 23 de agosto

Larissa Rosado (PSB) – 42,8%
Cláudia Regina (DEM) – 32,4%.

Setembro de 2012:

Estimulada – TCM/Certus – Realizada nos dias 30/31 de Agosto e 1º de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 46,80%
Cláudia Regina (DEM) – 36%

Espontânea – TCM/Certus – Realizada nos dias 30/31 de Agosto e 1º de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 41,80%
Cláudia Regina (DEM) – 32,40%.

Estimulada – Gazeta do Oeste/Perfil – Realizada nos dias 01 e 2 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 40,01%
Cláudia Regina (DEM) – 34,33%

Espontânea – Gazeta do Oeste/Perfil – Realizada nos dias 1º e 2 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 37,5%
Cláudia Regina (DEM) – 32,67%.

Estimulada – Blog do Carlos Santos/Consult – Realizada nos dias 3 e 4 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 47,50%
Cláudia Regina (DEM) – 38,17%

Espontânea – Blog do Carlos Santos/Consult – Realizada nos dias 3 e 4 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 40%
Cláudia Regina (DEM) – 33,17%.

Estimulada – O Mossoroense/Item – Realizada nos dias 13 e 14 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 48,6%
Cláudia Regina (DEM) – 38,5%

Espontânea – O Mossoroense/Item – Realizada nos dias 13 e 14 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 42,5%
Cláudia Regina (DEM) – 34%.

Estimulada – Correio/Start – Realizada nos dias 15 e 16 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 47,3%
Cláudia Regina (DEM) – 44,7%

Espontânea – Correio/Start – Realizada nos dias 15 e 16 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 42,7%
Cláudia Regina (DEM) – 39,6%.

Estimulada – Gazeta do Oeste/Perfil – Realizada nos dias 15 e 16 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 41,57%
Cláudia Regina (DEM) – 39,43%

Espontânea – Gazeta do Oeste/Perfil – Realizada nos dias 15 e 16 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 38,57%
Cláudia Regina (DEM) – 36,29%.

Estimulada – Gazeta do Oeste/Cipec – Realizada nos dias 18 e 19 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 47,5%
Cláudia Regina (DEM) – 38,2%

Espontânea – Gazeta do Oeste/Cipec – Realizada nos dias 18 e 19 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 48,8%
Cláudia Regina (DEM) – 36,9%.

Estimulada – Gazeta do Oeste/Fiern/Vox Populi – Realizada nos dias 18, 19 e 20 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 45%
Cláudia Regina (DEM) – 39%

Espontânea – Gazeta do Oeste/Fiern/Vox Populi – Realizada nos dias 18, 19 e 20 de setembro

Larissa Rosado (PSB) – 43%
Cláudia Regina (DEM) – 36%.

Estimulada -  TCM/Certus – Realizada nos dias 24, 25 e 26 de Setembro

- Larissa Rosado (PSB) – 44%
- Cláudia Regina (DEM) – 43,80%

Espontânea – TCM/Certus – Realizada nos dias 24, 25 e 26 de Setembro

- Larissa Rosado (PSB) – 41,20%
- Cláudia Regina (DEM) – 40%.

Estimulada – O Mossoroense/Item – Realizada nos dias 26 e 27 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 48,5%
Cláudia Regina (DEM) – 41,2%.

Espontânea – O Mossoroense/Item – Realizada nos dias 26 e 27 de Setembro

Larissa Rosado (PSB) – 42%
Cláudia Regina (DEM) 38%.

Estimulada – Correio/Start – Realizada nos dias 30 de Setembro e 1º de Outubro

Larissa Rosado (PSB) – 44,3%
Cláudia Regina (DEM) – 42,7%

Espontânea – Correio/Start – Realizada nos dias 30 de Setembro e 1º de Outubro

Larissa Rosado (PSB) – 43,6%
Cláudia Regina (DEM) – 41,4%.

Outubro de 2012:

Estimulada – Gazeta do Oeste/Fiern/Vox Populi – Realizada nos dias 1º, 2 e 3 de Outubro

Larissa Rosado (PSB) – 48%
Cláudia Regina (DEM) – 42%
Josué Moreira (PSDC) – 1%
Raimundo Nonato Sobrinho, “Cinquentinha” (Psol) – 1%
Edinaldo Calixto – Não foi citado
Não Sabe/Indeciso – 5%
Branco/Nulo – 3%

Espontânea – Gazeta do Oeste/Fiern/Vox Populi – Realizada nos dias 1º, 2 e 3 de Outubro

Larissa Rosado (PSB) – 46%
Cláudia Regina (DEM) – 42%
Josué Moreira (PSDC) – 1%
Raimundo Nonato Sobrinho, “Cinquentinha” (Psol) – 1%
Edinaldo Calixto (PRTB) – Não foi citado
Não Sabe/Indeciso – 7%
Branco/Nulo – 3%.

Nota do Blog – Pesquisas para consumo interno chegaram a ser feitas pelas principais coligações, apontando vitória iminente de Cláudia Regina e seu vice Wellington Filho (PMDB). Eles começaram a alavancar vitória no início de setembro.

Na sexta-feira (5 de outubro), uma pesquisa para consumo interno apontava diferença de menos de 2 por cento em seu favor. Em outra de  boca-de-urna no dia do pleito (7 de outubro), já indicava quase 2 por cento de maioria para ela. As urnas definiram vantagem de apenas 5.295 votos (3.93%).

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2012 / Eleições 2016 / Política
domingo - 11/09/2016 - 11:42h
Coligação Unidos Por Uma Mossoró Melhor

Rogério Marinho estreia em campanha municipal de Mossoró


O deputado Rogério Marinho (PSDB) foi a primeira liderança política estadual a desembarcar na atual campanha municipal de Mossoró. Ele participou de parte da programação do candidato a prefeito por seu partido, Tião Couto, na Coligação Unidos Por Uma Mossoró Melhor.

Marinho esteve com Tião, o vice Jorge do Rosário (PR) e as ex-prefeitas Cláudia Regina (DEM) e Fafá Rosado (dissidente do PMDB) nesse sábado (10), por ruas do  bairro Santo Antônio.

Rogério discursou durante movimentação da coligação encabeçada por Tião (Foto: divulgação)

“Já dá para sentir o cheiro de vitória. O povo de Mossoró mostrará que a cidade não tem donos e que chegou a hora de avançar para um futuro de desenvolvimento econômico, com mais saúde, educação e segurança”, disse Marinho.

Após participar da campanha na Capital do Oeste, Rogério seguiu para Messias Targino, onde ocorria carreata e comício do candidato a prefeito Nonô (PSDB). O deputado fez questão de enfatizar que seu mandato será um parceiro permanente da futura administração tucana na cidade. “Nosso gabinete estará à disposição de Nonô e do povo de Messias Targino para fazer a cidade avançar”, completou.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
  • Repet
quarta-feira - 07/09/2016 - 11:30h
Política e ódio

Quantos amigos você perdeu por causa da campanha passada?


Quem hoje está ferozmente envolvido na campanha eleitoral de Mossoró, da mesma forma que esteve em 2012, se deu conta do que ficou para trás?

Como pessoas maduras, outras tantas consideradas inteligentes, muitas resolvidas, conseguem repetir os mesmos erros?

Deram-se conta do cenário político daquela época tão próxima e o que temos hoje?

Pararam para fazer um inventário das amizades perdidas, das brigas estéreis e das ofensas proferidas e recebidas?

Será que por alguns segundos resolveram identificar onde estão os principais personagens daquele embate extremado, que gerou até cassação e afastamento de uma prefeita eleita?

Vou ajudá-lo.

Em 2012, a então deputada estadual Larissa Rosado (PSB) era candidata oposicionista. Perdeu nas urnas.

Em 2012, sua mãe e então deputada federal Sandra Rosado apostou todas as suas fichas na eleição da filha.

Em 2012, a então governadora Rosalba Ciarlini (DEM, hoje no PP), apoiou a então vereadora Cláudia Regina (DEM) a prefeito, ao lado da prefeita Fafá Rosado (DEM, hoje no PMDB). Numa reunião em Natal, bateu à mesa e proclamou: “Eu não vou entregar a Prefeitura à Sandra!”

Em 2012, o hoje prefeito e candidato à reeleição Francisco José Júnior (PSD), o “Francisco”, foi reeleito vereador no palanque de Larissa. Mas seu tio Galba Silveira já foi candidato a vice de Fafá Rosado em 2000 e seu pai e então deputado estadual Francisco José foi candidato a vice de Sandra Rosado em 1996.

Onde estão esses personagens hoje e seus asseclas que vomitam ódio e julgam a tudo e a todos, conforme suas motivações de hoje?

Vou ajudá-lo.

Sandra é candidata a vereador. Ela e a filha estão no palanque da arqui-adversária Rosalba, garantindo que a “Rosa” é o melhor nome a prefeito de Mossoró”.

Rosalba, que durante quase 30 anos duelou com a prima Sandra e seu grupo, concorre pela quarta vez à Prefeitura. Nas três vezes anteriores venceu o marido de Sandra  (Laíre Rosado), a própria Sandra e Fafá Rosado.

Fafá Rosado, que já foi apoiada pela prima Sandra Rosado a prefeito em 2000 (sendo derrotada por Rosalba), teve duas eleições a prefeito com endosso de Rosalba (2004 e 2008), mas agora apoia o empresário Tião Couto (PSDB) à Prefeitura. É adversária de Rosalba, só para esclarecer.

Já Cláudia Regina, que foi vice-prefeita eleita de Fafá Rosado, com apoio de Rosalba em 2004, além de prefeita eleita em 2012 no mesmo grupo, agora reforça palanque de Tião. É adversária de Rosalba, para ser mais claro.

Quanto a Francisco José, o Francisco, tenta a reeleição em faixa própria, depois de ele e seu pai Francisco José terem sido força-auxiliar das duas bandas Rosado.

Enfim, depois desse breve relato para clarear a memória dessa infantaria que espalha rancores, principalmente via Internet, eu pergunto:

- Quantos amigos você perdeu por causa da campanha passada?

Acompanhe nosso Twitterclicando AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
terça-feira - 30/08/2016 - 01:10h
Apoio a Tião e Jorge

Fafá expõe ‘mãos limpas’ e critica quem quer usar Prefeitura


A ex-prefeita mossoroense Fafá (PMDB) foi apresentada à noite dessa segunda-feira (29) no “Espaço 45″, localizado à Avenida Rio Branco, à militância do candidato a prefeito de Mossoró Tião (PSDB) e do vice Jorge do Rosário (PR), da Coligação Todos por uma Mossoró Melhor. É a segunda ex-prefeita de Mossoró que a coligação recebe como apoio. Antes já chegara Cláudia Regina  (DEM) – Veja AQUI.

Além de Fafá, Tião e Jorge do Rosário o encontro dessa segunda-feira teve a presença do ex-deputado estadual e marido de Fafá, médico Leonardo Nogueira (PMDB).

Cláudia Regina, Jorge, Tião Couto e Fafá receberam militância nessa segunda (Foto: cedida)

O apoio de Fafá à candidatura de Tião já havia sido formalizado na última sexta-feira (26) – veja AQUI, depois que ela resolveu abandonar a presidência do seu partido (veja AQUI), não seguindo o peemedebismo no apoio à ex-prefeita e candidata à Prefeitura Rosalba Ciarlini (PP).

A ex-prefeita afirmou que a decisão de apoiar Tião foi uma questão de responsabilidade para com o povo de Mossoró. “Vamos entregar a cidade não a quem está atrás de um salário e sim a quem quer gerar salário para povo, trabalhando pela geração de emprego e renda,” disse.

Sua frase, se foi direcionada a algum concorrente à Prefeitura, não ficou claro.

A peemedebista lembrou que foi uma prefeita de “mãos limpas” e por isso quer que a cidade seja administrada por pessoas de mãos limpas, como Tião e Jorge.

Recepção

O candidato a prefeito de Mossoró pela Coligação Todos Por uma Mossoró Melhor, Tião, saudou o apoio de Fafá ao seu projeto político. Ele elogiou a gestão da ex-prefeita e criticou a atual do prefeito Francisco José Júnior (PSD), ou “Francisco” (veja AQUI), como seu marketing de campanha o definiu.

“As obras estruturantes construídas no governo de Fafá estão abandonadas.” O tucano voltou a afirmar que o maior problema de Mossoró é a administração. “O nosso problema maior não é a falta de dinheiro, é a falta de gestão.”

Tião finalizou o seu discurso pedindo para que os militantes multiplicassem os votos, pois a campanha é curta, “ Nós não estamos brincando de fazer política, o que queremos é devolver Mossoró ao povo, e para isso isso preciso que vocês multipliquem os seus votos” pediu.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
  • Repet
sábado - 27/08/2016 - 08:14h
Mossoró

Líderes estaduais têm pouco a oferecer à sucessão municipal


Qual o peso – na atual campanha municipal – de lideranças estaduais que num passado até recente eram muito aguardadas nos palanques políticos, em Mossoró?

Será que existe apenas um esvaziamento da influência de tradicionais lideranças locais (como abordado pelo Blog ontem – veja AQUI), ou também essas expressões de nível estadual estão em baixa?

Garibaldi e Fátima são lideranças que podem ser importantes à campanha municipal (Foto: montagem)

Os primeiros dias de campanha não empolgaram o eleitor. Os próprios candidatos apostam numa programação inicial com limitações que estão longe das manifestações do passado, quando ocorriam comícios, passeatas e carreatas expressivos.

Por enquanto, o ambiente mais efervescente é a Internet e suas redes sociais, com as campanhas descarregando propaganda e fomentando participação de seus militantes, numa guerra que é irreal diante do que é visto nas ruas. São dois mundos distintos.

Robinson Faria

No palanque do atual prefeito e candidato à reeleição, Francisco José Júnior (PSD), é difícil que apareça o líder estadual do seu partido que teve votações maciças ao Governo do Estado em Mossoró, governador Robinson Faria (PSD).

Até aqui, ele refugou até mesmo presença na convenção partidária do prefeito no início deste mês, num ambiente plenamente favorável. Escalou o filho e deputado federal Fábio Faria para esse fim.

Os dois têm profundo desgaste público no município, capaz de provocar um efeito oposto à energia de uma fusão nuclear: queda livre mais acentuada de ambos.

Henrique e Garibaldi

No palanque de Rosalba Ciarlini (PP), ex-governadora, liderança como do ex-ministro e ex-deputado federal Henrique Alves (PMDB) não é vista como salutar, em face do seu envolvimento com escândalos de repercussão nacional.

Outro apoio, após anos sendo satanizada pelo rosalbismo, seria da ex-governadora e hoje candidata a vereador em Natal, Wilma de Faria (PTdoB). Por Mossoró, também não deve aparecer, mesmo tendo sido uma governante com bom acervo de realizações para o município.

Quanto ao senador Garibaldi Filho (PMDB), há maior leveza. Teoricamente pode acrescentar ao lado do seu PMDB à campanha de Rosalba, pois sofre menor desgaste e passa incólume a tsunami de escândalos nacionais.

Agripino

Em relação ao candidato Tião Couto (PSDB), seu partido já contou e deve contar com a presença do seu presidente estadual em Mossoró, deputado federal Rogério Marinho. Mas ele tem muito mais a capitalizar para 2018 do que acrescentar à votação do candidato Tião agora.

Henrique e Agripino: dois palanques (Foto: Câmara Federal)

Outro nome com Tião, é do senador José Agripino (DEM). Sua trajetória política em Mossoró sempre foi vinculada ao casal Rosalba-ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado. Hoje, sua referência local é a ex-prefeita Cláudia Regina (DEM) que levou o DEM para Tião Couto.

A participação de Agripino, do ponto de vista da imagem pessoal, num momento que o país caminha para fim da era PT, pode acrescentar ao discurso da chapa Tião-Jorge do Rosário (PR), mas provavelmente de forma residual.

O ex-deputado federal João Maia, dirigente estadual do PR, trabalhou para levar seu partido à coligação de Rosalba. Deverá ficar distante da sucessão, num colégio eleitoral em que tem escassa influência sua.

Fátima Bezerra

Com a candidatura de Gutemberg Dias (PCdoB), que traz como vice uma jovem militante do PT, Rayane Andrade, temos a atração esperada da senadora Fátima Bezerra (PT). Deve catalisar a participação da militância petista, mesmo num momento de desgaste de seu partido no plano nacional e flacidez local.

Já o candidato a prefeito Josué Moreira (PSDC), não tem qualquer político de expressão estadual o apoiando. O nome de maior representatividade é do vereador natalense e advogado Joanilson de Paula Rêgo.

Ele é dirigente da executiva do PSDC no Rio Grande do Norte, com largo conceito no meio forense, mas sem peso eleitoral em Mossoró.

Como chegou a definir o senador Garibaldi Filho sobre a política mossoroense, à época em que ainda era governador do Estado, “Mossoró é muito difícil”.  Se é! Ô!

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
sexta-feira - 26/08/2016 - 19:40h
Mossoró

Fafá Rosado e Leonardo anunciam apoio a Tião e Jorge


A ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB) – por duas vezes – pegou um rumo na campanha municipal de Mossoró. Anunciou hoje, ao lado do marido e ex-deputado estadual de dois mandatos, Leonardo Nogueira (PMDB), apoio à chapa Tião Couto (PSDB)-Jorge do Rosário (PR), da Coligação Todos por uma Mossoró Melhor.

Fafá trabalhou durante vários meses e chegou a divulgar por setores da imprensa, que era nome “certo” para ser vice da hoje candidata Rosalba Ciarlini (PP).

Fafá e Leonardo: quatro mandatos (Foto: arquivo)

Não vingou. Seu nome sequer foi cogitado no grupo da ex-governadora e ex-prefeita Rosalba Ciarlini para ocupar espaço na chapa majoritária.

Insatisfeita, sequer participou da convenção municipal do seu partido e entregou a presidência da sigla através de uma representante (veja AQUI).

Nesse espaço de tempo, testemunhou a grande maioria das pessoas próximas a si desembarcarem na campanha de Rosalba.

Cláudia Regina, Rosalba e Carlos Augusto

Para não ficar isolada e à margem do processo eleitoral, ela chega à campanha de Tião e Jorge. Porém saiu atirando na liderança de Rosalba e do seu marido, ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado (veja AQUI). Para ela, o casal a “descartou” de forma ingrata.

Por lá, um pouco antes, já tinha aportado a ex-prefeita que sucedeu Fafá na Prefeitura, Cláudia Regina (DEM) – veja AQUI.

Há profunda e rápida desnutrição no capital político-eleitoral de Fafá Rosado, que o próprio processo sucessório municipal revela. Veja AQUI em postagem especial do Blog.

Mesmo seu apoio à Coligação Todos por uma Mossoró Melhor, não chega a ser consenso. Internamente, duas correntes discutiram se era salutar ou não contar com ela e Leonardo, além do seu irmão – agitador cultural Gustavo Rosado – no palanque (veja AQUI).

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
segunda-feira - 15/08/2016 - 09:20h
Mossoró

Feriadão poderá causar debandada expressiva de eleitores


Os candidatos a prefeito/vice e vereador em Mossoró devem se preparar para uma iminente debandada de eleitores no dia 2 de outubro, data do pleito municipal. Há boa possibilidade de termos grande percentual de abstenção de votos.

Por que essa previsão?

Mossoró vivenciará o maior feriadão do ano, com quatro dias corridos, a partir da sexta-feira (30) de setembro, completado com o dia 3 de outubro (segunda-feira após as eleições do dia 2).

O feriado do dia 30 é a data magna da cidade, Libertação dos Escravos. Já o dia 2, é data de feriado estadual, dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu. Portanto – sexta, sábado, domingo e segunda-feira livres para o ócio.

Quatro dias corridos que devem instigar principalmente as classe média e alta a se distanciarem das urnas, justificando o voto longe da cidade.

Isso poderá concorrer muito para queda do quociente eleitoral, por exemplo, que em 2012 foi de 6.545 votos e este ano tende a recuar. Um decréscimo de até mil votos não seria de estranharmos ou até mais

EM 2012 Mossoró teve 137.463 votos válidos à Câmara Municipal, entre votos diretos aos candidatos (283 ao todo) e os votos de legenda.

Mossoró tinha 164.975 eleitores aptos ao voto, mas ocorreu abstenção de 12,80% do eleitorado – 21.122. Foram computados 134.973 (93,70%) votos válidos a prefeito, mas 6.737 (4,68%) nulos e 2.323 (1,61%) em branco.

Em resumo, na soma de abstenções, branco e nulo os candidatos a prefeito nas eleições de 2012 perderam 30.182 votos.

Em relação aos 283 concorrentes a 21 vagas na Câmara Municipal, o estrago foi um pouquinho menor: 27.512 votos.

O que pode concorrer para redução dessa hipótese de debandada em massa de eleitores, é um eventual acirramento entre disputantes à Prefeitura. Mas é bom lembrarmos que mesmo num cenário desses, em 2012 houve esse quadro de dispersão alta do eleitor, como os números mostram acima.

Recorde em 1982

A luta renhida entre as candidaturas de Cláudia Regina (DEM) e Larissa Rosado (PSB) mexeu com o eleitorado até o dia do pleito, mesmo assim houve essa alta abstenção.

Em 2008, os números dessa evasão não foram muito menores. A abstenção fechou na casa dos 12%, com 18.701 eleitores deixando de votar, uma multidão capaz de decidir uma eleição.

Existiam 153.027 eleitores em condições de voto.

Mas o recorde de abstenções levantado pelo Blog está mesmo no distante ano de 1982, com 15.435 (23,02%). O pleito marcou a retomada nas urnas do processo de redemocratização do país, com eleições diretas e conjuntas de governador a vereador. Veja em boxe abaixo, quadro eleitoral para prefeito àquele ano:

Eleições de 1982 (Fonte: Blog CS):

- Dix-huit Rosado (PDS) – 21.510 (41,68%);
- João Batista Xavier (PMDB) – 15.466 (29,97%);
- Canindé Queiroz (PDS) – 4.388 (8,50%);
- Mário Fernandes (PT) – 428 (0,83%);
- Paulo R. Oliveira (PTB) – 48 (0,09%);
- Brancos – 8.145 (15,79%);
- Nulos – 1.621 (3,14%);
- Abstenção - 15.435 (23,02%);
- Maioria Pró-Dix-huit – 6.044 (11,71%).

O eleitorado habilitado ao voto em 1982 era de 67.041, em 275 secções. Compareceram 51.606 (76,98%) eleitores.

Recentemente, na eleição suplementar de 2014, a abstenção teve seu segundo maior percentual em 42 anos (desde 1968), com 30.429 (18,45%) votos. Foram apurados 134.511 votos.

A Justiça Eleitoral tinha o registro de 514 urnas eletrônicas distribuídas pelos 72 locais de votação durante o pleito, com um total de 164.940 eleitores aptos a votar, utilizando pela primeira vez o sistema biométrico de identificação. Foi eleito o então prefeito interino Francisco José Júnior (PSD) e o vice Luiz Carlos Martins (PT).

Em 2016, Mossoró terá eleições com 167.120 eleitores. Em relação ao pleito de 2012, o aumento foi de 2.145.

As duas zonas eleitorais do município, 33a e 34a, têm como titulares os juízes Cláudio Mendes e Breno Valério, respectivamente.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
quarta-feira - 10/08/2016 - 21:15h
Apoio

Fafá Rosado “é peso” que Mossoró Melhor não quer carregar


Uma corrente da “Coligação Todos por uma Mossoró Melhor” já avisou: o esquema de Fafá Rosado (PMDB) deve ser mantido longe do projeto dessa aliança conquistar a Prefeitura de Mossoró.

Por lá, a discussão sobre o assunto não deve prosperar.

Após ser ignorada (veja AQUI) pela candidata Rosalba Ciarlini (PP) da “Coligação Força do Povo” (veja AQUI) e até por seu próprio partido, Fafá saracoteia-se para desembarcar no Mossoró Melhor.

Por lá, um pouco antes, chegou a ex-prefeita Cláudia Regina (DEM).

Ela também há muito preferiu se distanciar de Fafá e seu esquema. Foi escanteada no pleito sucessório municipal suplementar, em 2014, quando Fafá Rosado e seu esquema apoiaram Francisco José Júnior (PSD).

Outra questão que pesa contra Fafá e companhia, é o peso contrário ao discurso de “renovação” proposto pelo candidato a prefeito Tião Couto (PSDB) e seu vice Jorge do Rosário (PR).

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
terça-feira - 09/08/2016 - 23:18h
Hoje

“Mossoró Melhor” faz registro de sua chapa à Prefeitura


A “Coligação Todos por uma Mossoró Melhor” apresentou à manhã de hoje documentação que formaliza suas candidaturas à Prefeitura de Mossoró.

Jorge e Tião (de azul) fizeram registro de candidatura ao lado de aliados (Foto: Assessoria)

Os candidatos a prefeito e vice, Tião Couto (PSDB) e Jorge do Rosário (PR), compareceram ao Fórum Eleitoral Celina Guimarães.

Tião e o candidato a vice Jorge do Rosário (PR) compareceram ao fórum ao lado da ex-prefeita Cláudia Regina (DEM), do ex-secretário chefe de gabinete da Prefeitura Municipal de Mossoró, Sebastião Almeida e do presidente municipal do PSL, Ivar Schmidt, além de Assis Fernandes que integra o PRP..

“Hoje é um dia muito importante, acabamos de dar mais um passo fazendo o nosso registro da candidatura no TRE, e ao mesmo tempo entregando o nosso plano de governo, junto ao nosso amigo Jorge do Rosário que é o meu vice nessa chapa,” comemorou Tião.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Com informações da Coligação Todos por u ma Mossoró Melhor.

Categoria(s): Política
terça-feira - 26/07/2016 - 14:34h
Mossoró

“Corredor Cultural” tem dono privado e muita polêmica pública


Há dias um amplo terreno na Avenida Rio Branco até cruzamento com a Rua Coelho Neto, bairro Boa Vista, virou centro de nova polêmica em Mossoró. O advogado Evânio Araújo, através de quadro que apresenta na Rádio RPC (AM) e em redes sociais, denunciou o que considerou suposta invasão do patrimônio público.

A celeuma ganhou dimensão de cruzada cívica, mas também descambou para o recorrente lengalenga político.

O imóvel faz parte do “Corredor Cultural” de Mossoró, que ao longo da Avenida Rio Branco tem vários equipamentos públicos que mudaram a paisagem da área urbana da cidade, com a Estação das Artes Eliseu Ventania, Memorial da Resistência, Teatro Municipal Dix-huit Rosado, Praça dos Esportes, Praça de Eventos, Praça da Convivência etc.

O “xis” da questão seria, na verdade, baseada numa interrogação: “a quem pertence o terreno?” Um grupo de empresários atesta, com documentação, que a área lhe pertence. Daí, o direito a cercá-lo e lhe dar o destino que entender conveniente.

Os proprietários seriam Diógenes da Cunha Lima, Genivan Josué Batista, Genibaldo Barros e José Gilmar de Carvalho Borges. Arremataram o imóvel em leilão ocorrido no dia 18 de abril de 2001 em Recife-PE, por R$ 248.157,00. Estão documentados.

A Prefeitura de Mossoró admite, através de um de seus porta-vozes da Procuradoria do Município, Gilvan Cavalcante, que realmente não tem a posse dele. Na verdade, a área “não é pública”. Mesmo assim, cobrava taxas de comerciantes que o ocupam até o momento.

Então, o porquê desse tititi?

Cronologia do caso

- Agosto de 2000 – Prefeita Rosalba Ciarlini (PP) solicita à Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA) os terrenos entre a Avenida Augusto e Coelho Neto, no Bairro Boa Vista.
- 2001 – RFFSA lança edital do leilão.
- 17 de abril de 2001 – Câmara Municipal de Mossoró aprova lei que transforma o espaço em Corredor Cultural.
- 18 de abril de 2001 – Leilão ocorre em Recife-PE e grupo encabeçado pelo advogado Diógenes da Cunha Lima arremata-o por R$ 248.157,00.
- 2009 – Acontece o embargo judicial provocado pelos arrematadores.
- 2013 – Empresa A&C começa a se instalar em Mossoró na Avenida Rio Branco, em terreno próximo à Rua Coelho Neto.
- Abril de 2013 – Acordo entre Prefeitura (Gestão Cláudia Regina-DEM) e empresários é homologado. Proposta dos empresários: Prefeitura desocupa os terrenos que não foram construídos e indeniza-os pela parte que vai do Teatro Dix Huit Rosado à Praça dos Esportes. Contraproposta da Prefeitura: empresários abrem mão da indenização, cedem mais uma parte para a construção da Praça das Oiticicas, além de ofertarem mais um terreno no centro. Terreno este que a Prefeitura doaria em seguida para a A&C, à Avenida Cunha da Mota, bairro Pereiros.
- Julho de 2016 – Proprietários iniciam obra de construção de muro cercando todo o terreno remanescente
- Julho de 2016 – Ministério Público realiza audiência sobre o problema e abre procedimento para apurar eventuais responsabilidades na permuta de 2013.
- Julho de 2016 – Advogado Evânio Araújo pede habilitação nos autos, ao mesmo tempo em que pleiteia pela imediata suspensão do que considera um “esbulho” (invasão), ante a falta de formalidade para a posse.

A questão começa a ser polemizada no seu nascedouro, no próprio processo de leilão em Recife-PE. É questionável o papel do governo municipal à época (2001) no caso. A ampla área apesar de pertencer à RFFSA, estaria em espaço urbano de interesse público e para destinação específica. Às pressas a Câmara Municipal aprovou (veja boxe acima com cronologia) lei que transformava o espaço em Corredor Cultural, em votação um dia antes do leilão.

Mais dúvidas surgem adiante, com relação ao acordo feito em 2013 entre municipalidade e as pessoas que se apresentam como proprietárias, com permuta do imóvel que hoje está sendo cercado com estrutura de alvenaria.

Há, de verdade, muita nebulosidade nesse enredo. Entretanto essa cortina de fumaça que embacia a discussão, é muito mais emocional e politiqueira, do que de ordem legal. Por enquanto, quem pode provar a posse do terreno são seus quatro proprietários, digamos. A Prefeitura corrobora com essa informação. Em momento algum a contesta.

TCM

Em reportagens veiculadas pela TV Cabo Mossoró (TCM) pelo jornalista João Carlos Brito, esse intrincado episódio começa a ser desvendado, mas ainda assim sem fechar o quebra-cabeça. Público ou privado o terreno em questão? O certo é que a história de novo revela como a administração pública trata o interesse coletivo como privado, seu, sem a transparência devida.

Evânio: atitude proativa (Foto: redes sociais)

- Sob o ponto de vista jurídico, é possível anular a “transação” havida com o beneplácito na decisão (permuta de terreno), haja vista, a homologação de ato processual que deveria ter havido cautela, por ter sido praticado de forma temerária – alerta Evânio Araújo. “O interesse público sucumbiu ao individual (sic!). O Projeto de Lei 749/2001 que alterou a Lei 01/75, estabelece critérios para ocupação da Rio Branco, tornando-a zona especial de interesse público, no governo de Rosalba e aprovado à unanimidade pela Câmara”, salienta.

O advogado Evânio Araújo pretende “anular o ato jurídico”. Já o procurador geral do município, Tales Belém, entende que não há o que ser feito pela Prefeitura. Seria fato consumado a permuta  formalizada em 2013.

Provocado, o Ministério Público realizou audiência preliminar que abriu um procedimento para apurar eventuais crimes na permuta de um terreno público por um privado, para instalação em Mossoró da empresa de telemarketing A&C.

Empregos

Os proprietários da área, conforme documentação que possuem, esperam que a Prefeitura o entregue completamente desobstruído. Mas a princípio, não teriam um fim comercial definido para ele.

As ex-prefeitas Rosalba Ciarlini, Fafá Rosado (PMDB) e Cláudia Regina não se pronunciaram.

Em recesso, não obstante ter uma comissão de vereadores que atua nesse período, a Câmara Municipal de Mossoró ainda não deu sua posição oficial sobre a celeuma. A propósito, o presidente desse poder à época do acordo empresários-Prefeitura, era o atual prefeito Francisco José Júnior (PSD).

A instalação da empresa A&C ensejaria – como ocorreu – a contratação de centenas de pessoas. Mesmo assim, pairam nuvens carregadas sobre essa negociação.

Nota do Blog – Obrigado à TCM e ao jornalista João Carlos Brito a inestimável colaboração à produção dessa postagem que busca ser elucidativa, no enfoque da questão em epígrafe.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Gerais
segunda-feira - 25/07/2016 - 23:42h
Rosalba, Fafá e Cláudia Regina

Inquérito apura se ex-prefeitas recebem salários sem trabalhar


Do Blog do Magnos Alves

A promotora Micaele Fortes Caddah, da 11ª Promotoria de Justiça da Comarca Mossoró, instaurou o inquérito civil  n° 06.2016.00003565-1 para investigar denúncia anônima de remuneração sem a suposta contraprestação de serviço pelas servidoras públicas estaduais e ex-prefeitas de Mossoró, Rosalba Ciarlini (PP), Fafá Rosado (PMDB) e Cláudia Regina (DEM).

Rosalba, Cláudia e Fafá na campanha 2012 (Foto: Carlos Costa)

A promotora já delegou diligências iniciais que não foram atendidas e agora reitera pedido de informações à Secretária Estadual de Saúde e determina que seja impetrado mandado de segurança e comunicada a suposta prática do delito caso a Secretária continue omissa.

Nota do Blog Carlos Santos – A ex-governadora e pré-candidata a prefeito, Rosalba Ciarlini, é lotada no Hospital Rafael Fernandes.

Já Fafá Rosado, no Hospital da Mulher Parteira Maria Correia.

Quanto à Cláudia, a sua repartição é II Unidade Regional de Saúde Pública (URSAP).

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
sexta-feira - 22/07/2016 - 12:20h
Mossoró

Prefeito e ex-prefeitas são acusados de apropriação indébita

Procuradoria Geral de Justiça corre atrás de mais de R$ 20 milhões, desviados de sua finalidade

Por Dinarte Assunção (Do portalnoar)

Uma auditoria do Ministério da Previdência Social, cujo resultado foi encaminhado ao Ministério Público do Rio Grande do Norte, provocou a Procuradoria Geral de Justiça a abrir investigação criminal contra o prefeito de Mossoró, Francisco Silveira Júnior.

Prefeito acumula problema com Cláudia e Fafá (Foto: arquivo)

A imputação de crime descrita no processo é de apropriação indébita, quando o gestor recolhe a contribuição dos servidores mas não repassa ao fundo previdenciário e também por deixar de repassar a contribuição patronal.

A auditoria dá conta que mais de R$ 20 milhões foram recolhidos, mas não foram repassados à Previ Mossoró. As irregularidades abrangem dois períodos, entre 2012 e 2014.

Ex-prefeitas de Mossoró, Fafá Rosado e Cláudia Regina também são apontadas como responsáveis, mas apenas Silveira Júnior, pelo foro privilegiado, é o investigado no processo que tramita no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

O processo contra o prefeito de Mossoró foi aberto em abril deste ano. Ao desembargador Glauber Rêgo, relator da matéria, o procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis, solicitou a prorrogação da investigação. Se o PGJ concluir que houve crime, o prefeito de Mossoró será denunciado criminalmente ao Tribunal de Justiça e poderá ainda responder outra ação por improbidade administrativa

Auditoria

A auditoria sobre as contas previdenciárias de Mossoró abrangeram o período de março de 2012 a agosto de 2014.

Constatou-se, nesse período, que não foram repassados R$ 20.197.789,71. Os valores chegaram a ser parcelados e reparcelados. A última atualização do relatório dava conta de que as dívidas seriam saldadas em 60 parcelas.

A maior parte das irregularidades ocorreram, segundo a auditoria, sob a gestão de Silveira, que assumiu o comando de Mossoró em outubro de 2013, conforme a tabela abaixo:

Diferença apontada revela um rombo de mais de 20 milhões de reais da Previdência (Foto: reprodução)

Terceirizados

Nessa semana, o juiz da 4ª Vara do Trabalho de Mossoró, Vladimir Paes de Castro, oficiou a Câmara de Vereadores de Mossoró para que tomasse providências sobre eventual crime de responsabilidade praticado pelo prefeito Silveira Júnior.

Os ilícitos teriam sido praticados no atraso no pagamento de servidores terceirizados, o que gerou um bloqueio de R$ 2,5 milhões nas contas da Prefeitura de Mossoró, determinado pelo magistrado na terça-feira.

A Justiça trabalhista também cita ingerência da prefeitura de Mossoró sobre essas terceirizadas, indicando, inclusive, a existência de servidores que recebiam sem trabalhar.

Outro lado

Como vem fazendo desde que publicou as primeiras reportagens sobre a crise entre o poder público e o funcionalismo público em Mossoró, a reportagem procurou a assessoria de imprensa da prefeitura da cidade.

Até o momento, não houve reposta às demandas solicitadas.

O portalnoar.com ainda procurou as ex-prefeitas Fafá Rosado e Cláudia Regina.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
  • Repet
domingo - 10/07/2016 - 06:42h
Eco das eleições suplementares I

Novo prefeito ganha para dividir história ou confirmar os Rosado

DNA de votos e uma série de fatores mostram o sucesso de Francisco José Jr. em disputa mossoroense

(*) Cada eleição tem um metabolismo próprio. Contextualização e conjuntura precisam ser analisadas, para um melhor entendimentos dos fatos. Cada um de seus protagonistas  tem visão particular sobre números e resultado, o que é normal.

Cada uma dessas “verdades”, porém, é questionável. Algumas, até, porque tentam encobrir desastres e outras mitificar vitoriosos.

Silveira tem aclamação e o futuro para contar outra história ou justificar o ciclo oligárquico (Foto: Raul Pereira)

Mas quem foi o grande vencedor do pleito suplementar do domingo, em Mossoró?

A pergunta é de fácil resposta: o prefeito provisório e eleito Francisco José Júnior (PSD), da Coligação Liderados pelo Povo.

Saiu emergencialmente da presidência da Câmara Municipal de Mossoró – onde chegou para o quarto mandato como sexto mais votado com 2.586 votos –  para presença interina na prefeitura. Em pouco mais de quatro meses, catapultou o próprio nome ao topo do poder, de forma meteórica, com resultado avassalador.

Numericamente, empalmou a maior vantagem eleitoral de um candidato a prefeito sobre seu principal adversário em Mossoró. Em 1976, João Newton da Escóssia tivera margem percentual até maior, mas dentro de uma realidade em que cada partido poderia apresentar mais de um candidato a prefeito, o que se denominava de “sublegenda”.

Francisco José Júnior (PSD) superou até mesmo o êxito de Rosalba Ciarlini (DEM, na época PFL) em relação à Sandra Rosado (PSB, na época PMDB), em 1996.

Rosalba x Sandra (1996)

- Rosalba Ciarlini (PFL) – 57.407 (52,64%);
- Sandra Rosado (PMDB) – 26.118 (28,50%);
- Maioria pró-Rosalba Ciarlini de 31.289

Francisco José Jr. x Larissa (2014)

- Francisco José Júnior (PSD) – 68.915 (53,31%);
- Larissa Rosado (PSB) – 37.053 (27,55%);
- Maioria pró-Francisco José Júnior de  31.862

* Francisco José Júnior teve 573 votos de maioria em sua eleição, num comparativo com Rosalba em 1996

É primário e inocente, se acreditar que esse êxito seja  resultado da força da “máquina” pública, na qual estava montado. Para o espaço de tempo entre sua última posse interina, ocorrida em 6 de dezembro de 2013 e a campanha, iniciada no dia 12 de abril deste ano, ele tinha pouca “pista” temporal para tamanha ascensão sobre campo minado.

Rosalba e Sandra: distância e judicialização

O prefeito provisório sobrou em destreza para apagar crises pontuais, enfrentar “herança maldita” das gestões Fafá Rosado (DEM, hoje no PMDB)-Cláudia Regina (DEM)  e “incêndios fabricados” com a intenção de desestabilizar a municipalidade e seu nome.

Costurou apoios e montou uma coalizão multifacetada, que juntou do PT a dissidentes do PMDB e do DEM, 15 dos 21 vereadores, em palanque para todos os gostos e cores. Apesar da predominância do amarelo, padrão de identidade política como candidato, a diversidade foi seu forte.

Exposição raivosa

Além disso, foi beneficiado pelos desdobramentos da autofagia do clã Rosado, duelo remanescente das eleições canceladas de 2012. Os grupos da deputada federal Sandra Rosado (PSB) e da governadora Rosalba e seu marido e chefe de Gabinete Civil do Estado, Carlos Augusto Rosado (DEM), praticamente aniquilaram-se para o pleito suplementar, com uma arenga no campo judicial e exposição raivosa em redes sociais (Net).

O que restou desses exércitos brancaleones, permitiu que “Silveira” (como o prefeito é conhecido desde a infância), avançasse  com uma candidatura alternativa à bipolarização Rosado X Rosado, mesmo que em seu palanque tivesse o apoio da ex-prefeita Fafá Rosado.

O DEM de Rosalba e Carlos Augusto sequer conseguiu registrar uma candidatura. A prefeita cassada e afastada Cláudia Regina fincou pé e não abriu mão de insistir em concorrer novamente, mesmo a Justiça Eleitoral atestando sua completa impossibilidade, por “ter dado causa” às novas eleições.

Mesmo que quisesse trocá-la, o casal não teria outra opção, tamanha a pobreza de quadros e as imposições legais à colocação de algum familiar. Sim, porque a prioridade é sempre alguém da família.

Quando ao PSB da líder Sandra Rosado, insistiu na candidatura da deputada estadual e sua filha, Larissa Rosado (PSB), apesar de ela sofrer inelegibilidade em decisões judiciais em Mossoró e no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), com escassas chances de reversão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Foi à luta por “sua conta e risco”, parcos recursos financeiros e histórico de três derrotas seguidas à prefeitura.

Seus votos foram contabilizados, mas estão  sub judice. O plano de substitui-la foi pensado até os últimos dias (Blog dará detalhes de bastidores), mas a esperança de reversão do quadro no TSE terminou frustrada.

A insegurança jurídica e os resquícios da luta Cláudia x Larissa de 2012 ajudam a entendermos os números dessa campanha. Eles reforçam a caracterização de uma vitória em que Francisco José Júnior teve incrível senso de oportunidade e talento para ocupar vácuo. Ascende como um contraponto à dinastia dos Rosado, em meio à sua divisão.

O que antes era tática para somar, virou motivo de fracionamento e dispersão de liderança entre os Rosado.

A votação de Silveira tem DNA multifacetado, onde se incluem – ainda – até consideráveis votos de seguidores de Rosalba e Cláudia, que enxergaram no palanque de Larissa “um mal maior”. Ambas declararam “neutralidade” no pleito. A maioria dos seus eleitores captaram a mensagem subliminar.

Em tese, a vitória de um não-Rosado causaria menor estrago a ambas do que a entronização do ramo familiar comandado por Sandra Rosado, legítima herdeira do “doutor Vingt”, Vingt Rosado, seu pai.

Ao mesmo tempo, a vitória espelha sentimento de mudança, mas não de seis para meia dúzia, de uma oligarquia multidecenal para outra emergente – o “Silveirismo” (!!).

Missão

Como prefeito eleito, completando mandato de pleito de 2012, com cerca de dois anos e sete meses de gestão pela frente, Francisco José Júnior terá uma missão de dificílimo cumprimento. Sofre pressão em duas vertentes: uma administrativa e outra política.

Larissa e Cláudia: mesmo veneno (Montagem do Blog do Magno César)

Rosado de A e Rosado de B não lhe darão trégua. Partilham das mesmas necessidades e de um entendimento de propriedade em relação à prefeitura. São ressentidos, em essência.

A instabilidade de seu governo é uma necessidade, para que a retomada do ciclo de hegemonia familiar seja feita, “provando” à cidade a tese de uma superioridade genética destinada à atividade pública, espécie de “eugenia política”.

Os solavancos aconteceram e continuam dentro da interinidade como prefeito, no curso da campanha suplementar e devem seguir a partir da posse como prefeito efetivo. Exemplo disso é que no sábado (3), menos de 24 horas antes do pleito, advogados ligados à Cláudia Regina despejaram 12 ações na Justiça Eleitoral, acuando o candidato e prefeito interino. A coligação de Larissa emplacou mais três.

A “judicialização” que tanto os dois lados propagam e definem como protagonista de 2012 e dessas eleições especiais, é na verdade o veneno que ambos tomaram na intenção de aniquilar o outro lado. Até aqui, fenecem os dois.

Contudo, preferem transferir responsabilidade para a Justiça Eleitoral. Para a opinião pública vendem o papel de vítimas. Em 2014, não colou.

Platão

Para o prefeito, a chance que ele mesmo soube escupir, em meio ao acaso ou por oportunidade “de Deus”, como prefere definir, acontece para estabelecer o começo de novo ciclo. Ou, para revelar apenas um pequeno interstício de poder entre Rosado e Rosado.

O amanhã dirá.

Afinal de contas, a prefeitura não está nas mãos deles desde 1948, de forma quase contínua, por acaso. Há muito de competência e adaptação à realidade de cada tempo. É uma seleção quase “natural”, como se fossem prova de um conceito de “darwinismo político”.

Apesar se ser considerada por Platão (em “A República”) como a forma mais pobre e atrasada da política, a oligarquia (regime político em que o poder é exercido por um pequeno grupo de pessoas, pertencentes ao mesmo partido, classe ou família) foi aceita pela maioria dos mossoroenses. Em décadas diversas, em tempos distintos, o mossoroense votou maciçamente nos Rosado.

Adiante, não deixará de votar, apenas porque o prefeito é Silveira. Como não votou agora por ele não ser um Rosado.

Em 1968, Antônio Rodrigues de Carvalho impôs a última derrota aos Rosado em Mossoró, ganhando pleito municipal por 98 votos, contra o professor Vingt-un Rosado. De lá para cá, em dez eleições consecutivas, os Rosado levaram a melhor em todas (veja retrospectiva histórica com exclusividade AQUI) .

A missão do novo prefeito é muito maior do que talvez ele mesmo imagine. Será divisor de águas ou apenas nuvem passageira. Tem os meios para não repetir Rodrigues, o “Toinho do Capim”.

O amanhã dirá.

* Texto originalmente publicado no dia 6 de maio de 2014, dois dias após a eleição de Francisco José Júnior a prefeito de Mossoró em pleito suplementar. Passados mais de dois anos de sua publicação, avalie o que está escrito, veja a atual realidade e deduza o que possa ocorrer nas eleições de outubro de 2016 em Mossoró. Essa matéria analítico-opinativa tem mais de dois anos de sua veiculação.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
terça-feira - 28/06/2016 - 03:02h
Lançamento de pré-candidatura

Duas ausências anotadas, mas não necessariamente sentidas


A ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB) foi uma ausência anotada no Encontro Partidário do PP no Sítio Cantópolis (veja AQUI), que marcou lançamento da pré-candidatura à Prefeitura de Mossoró da ex-governador Rosalba Ciarlini (PP).

Necessariamente, não significa que o seu não comparecimento tenha sido sentido.

Também por lá não apareceu a ex-prefeita Cláudia Regina e o seu DEM.

Rosalba, Fafá e Cláudia: juntas no passado, acomodadas no futuro? (Foto: Web)

Porém ninguém afirmou que tenha feito falta.

As duas são aliadas do passado de Rosalba, mas tiveram afastamento recente.

Fafá foi eleita duas vezes (2004 e 2008) à Prefeitura mossoroense com apoio da antecessora Rosalba.

Cláudia teve também um ‘empurrãozinho’ da ‘Rosa’ para ser eleita prefeita em 2012, não obstante cassação posterior.

A ex-prefeita Fafá sonha em ser vice de Rosalba em 2016.

Cláudia está inelegível por oito anos e trabalha seu futuro com identidade própria, dissociada dela.

PMDB e DEM são liderados no estado por dois políticos que se afastaram de Rosalba no seu calvário final como governadora: Henrique Alves (ex-ministro do Turismo) e senador José Agripino.

Contudo Henrique e Agripino voltaram a dialogar com Rosalba. Em meio aos processos que ameaçavam sua elegibilidade no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), eles foram procurados por ela e seu marido, o ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado. Estão numa boa, digamos.

É provável que levem PMDB e DEM para aliança com a ‘Rosa’ na campanha deste ano. Fafá e Cláudia podem ser acomodadas, descontentes ou não.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.