terça-feira - 21/02/2017 - 16:14h
Mossoró

Isolda Dantas, a voz articulada da oposição


Isolda: articulada (Foto: arquivo)

A sessão extraordinária de hoje na Câmara Municipal de Mossoró mostrou que Rosalba Ciarlini (PP) vai ter uma oposição combativa, mesmo que minoritária e em vias de encolher mais ainda.

Pelo menos se depender de Isolda Dantas, vereadora estreante em cargo eletivo e na Casa, advinda dos quadros do PT.

Ex-secretária da Cultura na gestão Francisco José Júnior (PSD), ela mostrou bom desempenho, apesar de novata, na sessão especial de hoje.

Deve se destacar em relação aos demais, se não houver nenhum contratempo ou desatino.

Ah, já é líder! Nome ungido para ser líder da oposição.

Aguardemos, pois.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
quarta-feira - 08/02/2017 - 14:18h
Inflação

Foguetões para a mentira


Por François Silvestre

O governo federal comemora com foguetões e fanfarra a “inflação” baixa de janeiro.

Patifes.

Como haver inflação na recessão? Desemprego crescente, consumo declinante, inflação de quê?

Custo de vida Altíssimo. Tudo caro, mas a “inflação” é medida com artimanhas e números mentirosos.

Terminou o “progresso” da esmola, com o PT  e os aliados de ontem que tomaram o poder, e começou o “desenvolvimento” da mentira.

No meio dessa merda, a população, que não é petista nem tucana/peemedebista, é apenas sofrida e roubada por esses cretinos e pelas castas que fiscalizam também de mentira.

Tudo rico, no assalto aos cofres públicos, seja pela corrupção ou pelos contracheques desavergonhadamente inchados de mumunhas e privilégios.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Artigo
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
quinta-feira - 01/12/2016 - 07:08h
Juntos e misturados

PMDB e PT se uniram para derrubar medidas contra corrupção

Investigados pela "Operação Lava Jato" na Câmara Federal votaram em defesa própria na madrugada

Fábio foi o único deputado do RN contra a desfiguração do projeto (Foto: arquivo)

A Câmara dos Deputados concluiu na madrugada de quarta-feira (30) a votação do pacote que reúne um conjunto de medidas de combate à corrupção. O texto não reflete a proposta original (veja AQUI), decorrente de mobilização popular, convertendo-se no muito mais numa ‘autodefesa’ de investigados e potenciais investigados em punição de juízes e membros do Ministério Público por crime de responsabilidade.

A Câmara dos Deputados atesta oficialmente que 69,6% dos votantes aprovaram a desfiguração do projeto, num conluio que envolve siglas como PMDB e PT, que bradam luta contra a corrupção com densa retórica, mas na prática e no voto, postaram-se maciçamente contra o aprofundamento dessa luta.

Investigados na “Operação Lava Jato” votaram em peso contra medidas anticorrupção (veja AQUI).

Veja AQUI o comportamento de todas as bancadas e todos os deputados, voto a voto. Atente ao abrir o link como os partidos e seus deputados se comportaram. As bancadas de PMDB e PT, em especial, foram orientadas para a desfiguração do pacote anticorrupção. Postura que revela como ambas se parecem e são parceiras de esgoto.

Bancada do RN

Entre os oito parlamentares do Rio Grande do Norte, apenas Fábio Faria (PSD) foi contra às mudanças promovidas pela Câmara dos Deputados.

A bancada do PDT na Casa apresentou proposição com lista as situações em que juízes e promotores poderão ser processados, com pena de seis meses a dois anos de reclusão. A legislação atual já prevê o crime de abuso de autoridade, mas é mais genérica.

Entre as condutas que passariam a ser crime estariam a atuação dos magistrados com motivação político-partidária e a apresentação pelo MP de ação de improbidade administrativa contra agente público “de maneira temerária”.

Nesse caso, além de prisão, os promotores também estariam sujeitos a indenizar o denunciado por danos materiais e morais ou à imagem que tiver provocado.

Judiciário e Ministério Público veem a votação majoritária dos deputados como clara “retaliação” à cruzada contra corrupção.

P.S - (Às 9h02) - PSDB foi o principal articulador da urgência do pacote anticorrupção (veja AQUI).

PS – (Às 18h30) - Juízes e promotores protestam contra mudanças em pacote anticorrupção (veja AQUI).

Acompanhe o Blog também pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
segunda-feira - 31/10/2016 - 12:14h
Números

PT perdeu sete de cada dez votos obtidos em 2012


Do Congresso em Foco

Além de ter o seu pior desempenho em capitais desde 1985, com apenas um prefeito eleito, e de eleger pouco mais de 250 prefeitos em 2016, o PT perdeu sete de cada dez votos que conquistou em 2012. Em meio à maior crise de sua história, o partido dos ex-presidentes Lula e Dilma somou 7.602.958 votos nos dois turnos da eleição para prefeito.

Quase 70% a menos do que os 24.261.376 obtidos ao final da disputa de 2012. O desaparecimento desses votos resultou na perda da prefeitura de São Paulo, maior colégio eleitoral do país, de capitais importantes e de grandes cidades em regiões onde a sigla acumulava bons resultados, como o Nordeste e o ABC Paulista.

O partido despencou do primeiro lugar em número de votos para a sexta colocação. A queda do PT coincide com o desgaste provocado pelo agravamento da crise econômica, por denúncias de corrupção contra lideranças petistas, os desdobramentos da Operação Lava Jato e o impeachment de Dilma.

Dilma e Lula aparecem como alvos principais de uma derrota eleitoral acachapante em 2016 (Foto: Roberto Stuckert Filho)

Principal adversário do PT nas últimas duas décadas, o PSDB viu sua votação crescer 11% em quatro anos: saltou de 19.523.898 para 21.733.680. Vice em 2012, foi a mais votada entre todas as siglas em 2016. A legenda vai comandar 24% do eleitorado do país, sete das 26 capitais estaduais, inclusive a paulista, e cidades onde não tinha tradição, como Porto Alegre e São Bernardo do Campo (SP), onde mora o ex-presidente Lula.

Embora tenha sido o partido que mais conquistou prefeituras este ano, a exemplo de 2012, o PMDB, do presidente Michel Temer, perdeu 1.421.667 votos de uma eleição para outra, queda de 7,6%. Ainda assim, os peemedebistas passaram do terceiro para o segundo lugar no ranking de votos conquistados.

Também superaram o PT em número de votos este ano, somados os dois turnos, o PSB, o PSD e o PDT. Os pedetistas foram os únicos da base de apoio de Dilma a ver sua votação crescer: de 7.783.559, há quatro anos, para 8.045.545 agora.

Confira a votação de cada partido a prefeito, em 2012 e 2016, ao final dos dois turnos:

Partido 2012 2016
PSDB 19.523.898 21.733.680
PMDB 18.654.619 17.232.952
PSB 10.357.846 10.283.810
PSD 6.543.039 9.165.019
PDT 7.783.559 8.045.545
PT 24.261.376 7.602.958
PRB 2.672.710 6.160.331
PR 4.231.135 6.092.206
PP 6.131.268 5.891.565
DEM 5.358.556 5.392.747
PTB 4.418.281 3.873.299
Psol 2.826.021 3.752.445
PPS 2.792.847 3.471.471
PV 2.370.199 2.095.621
PCdoB 2.671.328 1.996.308
PSC 2.073.321 1.766.736
SD 1.680.358
PHS 315.515 1.573.832
PMN 564.895 1.502.824
Rede 1.310.607
PTN 347.914 1.100.636
Pros 689.958
PSL 287.112 487.592
PMB 370.125
PEN 286.493
PTC 688.184 268.155
PTdoB 294.938 267.680
PSDC 227.149 211.648
PRTB 402.044 162.215
PPL 146.686 158.650
PSTU 176.336 77.952
Novo 38.512
PCB 45.119 24.501
PCO 4.284 5.689
Total 126.172.191  

124.776.136

 

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
segunda-feira - 03/10/2016 - 01:57h
Mossoró

Partido de prefeito é campeão de votos e tem maior bancada


O PSD, partido que abriga o prefeito Francisco José Júnior (PSD), o “Francisco”, é o campeão de votos nas eleições mossoroense deste ano. Apesar do fracasso do projeto de reeleição do prefeito, seu partido é campeão de votos.

Além de ter obtido 18.443 votos (13,70%), a sigla governista que estava em coligação ainda com o PEN e o PPL, elegeu três vereadores: Tony Cabelos (PSD) com 2.375 votos (o terceiro mais votado), além de Maria das Malhas (PSD) com 2.041 votos e Emílio Ferreira (PSD) que empalmou 1.947 votos.

Plenário da Câmara Municipal terá nova configuração partidária a partir de 2017 (Foto: Valmir Alves)

Em sua coligação (Liderados do Povo I), ainda foi reeleito o vereador Flavinho Tácito (PPL).

Veja abaixo, o percentual e o total de votos obtidos a vereador por cada partido nas eleições desse domingo (2) em Mossoró:

PSD -13,70% – 18.473 votos
PRB – 7,74% – 10.435
PMN – 7,56% – 10.193
PHS – 6,26% – 8.440
PP – 6,01% – 8.107
PV – 5,98% – 8.070
PR – 4,38% – 5.907
PSDB – 4,26% – 5.749
PTN – 4,22% – 5.697
PMB – 4,05% – 5.461
PMDB – 4,02% – 5.423
PT – 3,75% – 5.053
PDT – 3,46% – 4.661
PRP – 2,64% – 3.565
PSC – 2,47% – 3.327
PTC – 2,35% – 3.166
PSB – 1,88% – 2.538
DEM – 1,86% – 2.504
SD – 1,82% – 2.453
PROS – 1,63% – 2.197
PRTB – 1,60% – 2.160
PPL – 1,57% – 2.122
PEN – 1,39% – 1.880
PSDC – 1,28% – 1.728
PC do B – 1,26% – 1.699
PTB – 1,12% – 1.509
PSL – 0,59% – 794
PPS – 0,40% – 540
PT do B – 0,40% – 537
PSOL – 0,17% – 230
PSTU – 0,17% – 228.

Veja AQUI como foi o desempenho em termos de votação a vereador dos partidos que participaram das eleições em Mossoró em 2012.

O peemedebismo alcançou 19.800 votos (14,40%). Foi o campeão de votos com seus candidatos a vereador, à quele ano. Reelegeu Claudionor dos Santos e ganhou Izabel Montenegro, bem como o campeão de votos Alex Moacir, ex-secretário de Recursos Urbanos do município.

Este ano é apenas o 11º nesse item, com 5.423 votos, mas com dois reeleitos – Izabel Montenegro e Alex Moacir – veja AQUI.

Bancadas

Ao todo, a próxima legislatura (2017-2020) começará com 16 partidos. Atualmente são 17. PTC, PROS, PSB, PP, PMB, PPL, PV, PRTB, PT, DEM, PR, e PHS com um vereador.

PSD, com três; PMDB, PRB e PMN com dois.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
domingo - 18/09/2016 - 03:41h

E como dói!


Por Albert Dines

A Nova República não caiu , sequer começou. O temperamento de Dilma Roussef mostrou que ela é ingovernável, incapaz de controlar seus maus bofes. Caiu quando já não tinha mais nada a oferecer ao país. Caiu clamando vingança.

No último minuto , enquanto Temer oferecia pacificação e união, ela levantou o sabre. Conseguiu fracionar o país novamente.

Quem garante é um filósofo, Renato Janine Ribeiro, com uma curta experiência como ministro da Educação no governo Dilma Rousseff: “Acabou o Fla-Flu”.Para Janine, PT e PSDB já não servem para a política, esgotaram-se de tanto vociferar. O coadjuvante (PMDB), como nas piores peladas , levou a bola para casa.

“Partidos rachados conseguem propor um futuro?” Partidos rachados conseguem ao menos montar um simulacro de sustentabilidade e confiança? Os dois , PT e PSDB saem de língua de fora.

Mudar foi bom, mas não o suficiente, não foi legitimado por um voto e sim por um golpe. Renato Janine Ribeiro pergunta, que horizonte temos hoje?

Ninguém ganhou com a destruição dos dois partidos social-democratas que não conseguiram dialogar enquanto o Brasil naufragava nos últimos anos. O filósofo sabe que ambos não perceberam o tamanho do desastre. Nós , brasileiros, vamos descobrir na pele, nos próximos penosos meses.

O último capítulo do julgamento mais importante deste século XXI mostrou a face obscura e rasa do Brasil levando o país a extremos de vergonha e orgulho , dúvida e certeza. Traição, golpe, farsa, acusações, ofensas, Deus no meio de tudo, até Jesus Cristo baixou no Congresso.

day after

No final , a imensa tristeza sobre o que o futuro nos reserva. Qualquer que fosse o resultado nos deixaria num beco penoso. Nem Chico Buarque ali presente nos deu a certeza de seu canto , ” apesar de você, amanhã há de ser outro dia…”– no caso de Chico, o alvo seria Temer. Não há nada a comemorar.

Palavras, mentiras, dúvidas, suspeições, o capítulo final terminou sem nenhuma grandeza, talvez só o suicídio de Getúlio ou a cicuta de Sócrates salvaria esta semana para a História.

Este “day after” é ainda mais árido do que o vivido pelos brasileiros no final das Olimpíadas.

A reconstrução do gigante adormecido vai levar tempo e custar muitas ilusões, ceifando parte dos sonhos imaginados quando o Brasil era grande e beirava o Primeiro Mundo.

Caímos, julgamos, acusamos, este capítulo final não teve vencedores nem heróis,  não temos líderes nem carismas, acordamos no ponto morto, cansados de tentar arrancar durante tanto tempo.

Encolhemos, vai ter trabalho, muito trabalho, para voltarmos ao ponto zero.

Aquele Brasil grande que sonhamos é apenas um retrato na parede e nas capas das revistas estrangeiras. E como dói.

Alberto Dines é jornalista, escritor e co-fundador do Observatório da Imprensa

Categoria(s): Artigo
  • Repet
terça-feira - 13/09/2016 - 15:24h
Sucessão Municipal II

Gutemberg tenta marcar posição num cenário desvantajoso


Houve um tempo em que o mundo se dividia em dois blocos. Ocidente e Oriente viviam em choque em função das ideologias comunista e capitalista, num antagonismo marcado pela chamada “Guerra Fria” protagonizada por Estados Unidos e União das Repúblicas Socialistas Soviéticas  (URSS).

Isso é passado.

Desse lado do planeta, no Hemisfério Sul, Ocidente, precisamente no Brasil, sobrevive o Partido Comunista do Brasil (PCdoB). É nas urnas que ele tenta fazer história em Mossoró, ladeado pelo PT – partido que vive momento delicado no plano nacional, depois do apogeu.

Pela segunda vez – num espaço de pouco mais de dois anos – o PCdoB disputa a Prefeitura de Mossoró com a Frente Mossoró Tem Jeito.

Gutemberg e Rayane têm missão eleitoral difícil e tarefas políticas que também não são fáceis (Foto: redes sociais)

Em 2014, na disputa de pleito suplementar, o geógrafo e empresário Gutemberg Dias já fora candidato a prefeito. Hoje, tenta outra vez, agora numa composição que até historicamente ocorreu em outras ocasiões no município, mas sempre com a sigla em posição secundária.

Dessa feita, o PT cedeu a cabeça de chapa ao PCdoB, oferecendo a jovem Nayane Andrade como vice.

Mas a tarefa de Gutemberg e Nayane não é fácil: chegar à Prefeitura. Não obstante ser o objetivo visível do partido e do seu companheiro de chapa, o PT, a prioridade mesmo é marcar posição no tabuleiro político em movimento no município, elegendo bancada à Câmara Municipal.

Uma boa votação a prefeito pode dar maior visibilidade a Gutemberg. Mas é imprescindível para PCdoB e PT ter um palanque como o Legislativo, de onde saiu o atual vice-prefeito dissidente Luiz Carlos Martins (PT), eleito ao lado do também vereador Francisco José Júnior (PSD), o “Francisco”, à Prefeitura,  em 2014.

Por coincidência, ou não, PCdoB e PT fizeram parte do Governo Francisco José Júnior até bem poucos meses, sem que esses laços até hoje pareçam completamente desfeitos. Daí, sofrerem parte desse desgaste avassalador do prefeito – candidato à reeleição – e da gestão.

Partidos governistas

Na propaganda em rádio e TV, Gutemberg talvez seja o que tenha melhor desenvoltura na apresentação de um conteúdo em tom professoral, que prioriza propostas e avaliação da gestão pública de forma genérica, no pequeno escasso disponível.

Sua atuação não o coloca em oposição ao governo atual nem em contraposição ao que pareça velho ou de fachada nova. Fica no limbo. Por vezes passa a ideia de ser uma peça auxiliar do governismo ou estrategicamente equidistante dele.

A candidatura de Gutemberg não é exatamente de oposição ao Governo Francisco José, ou governista. Flutua na abordagem temática da administração, sem efetivamente enfrentar o modelo que Francisco repete, copiado com esmero da oligarquia Rosado.

PCdoB e PT vivem momento delicado no plano nacional, que se reflete em Mossoró. Conseguiram chegar ao poder municipal como peças acessórias (Gutemberg foi secretário do Planejamento), sem conseguirem melhorá-lo e sem ganho no capital imagem perante a sociedade.

Se não conseguirem eleger  um único vereador, o que não pode ser descartado, enfrentarão um difícil recomeço. A experiência não será nova, mas se desenrolará dentro de um cenário diferente.

Há reorganização de forças e o surgimento de novos atores políticos em Mossoró, como é o caso do empresário e candidato a prefeito pela Coligação Unidos Por Uma Mossoró Melhor, Tião Couto (PSDB).

Gutemberg faz parte desse elenco de ‘novidades’, com presença relativamente nova na política local. Foi candidato a prefeito em 2014 (pleito suplementar) e novamente aparece agora buscando igual cargo.

Motivar militância, ganhar a confiança das lideranças mais antigas, atrair novos partisans à defesa de um projeto de poder e criar um bloco de esquerda eleitoralmente competitivo e dinâmico são tarefas complexas que se impõem ao candidato e seus aliados.

Votos em 2012

Com 18 candidatos a vereador (dez do PCdoB e oito do PT), a coligação PCdoB terá que desenvolver esforço concentrado para o pleito, que possa pelo menos eleger um vereador. Em 2012, os sete candidatos do PCdoB empalmaram 1.509 votos cumulativamente. Já os quatro do PT obtiveram 4.058 e elegeu Luiz Carlos Martins.

Em termos de eleição majoritária, a experiência de Gutemberg em 2014 acabou dando visibilidade a seu nome, mas ofuscado pela vitória acachapante do então prefeito interino Francisco José Júnior (PSD), hoje denominado de “Francisco”.

Ele foi o quinto (último) colocado com 2.265 (2,90%) votos, numa chapa “puro sangue” do seu partido, haja vista que o PT tinha Luiz Carlos Martins como vice de Francisco José Júnior.

O que esperar das urnas agora?

Ser uma surpresa e evitar um vexame, em momento delicado da política local e da nacional.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
quinta-feira - 08/09/2016 - 22:10h
Descida do São Manoel

Frente Mossoró Tem Jeito ganha direito de ocupar avenida


Resolvido. Finalmente resolvido. Caberá à Frente Mossoró Tem Jeito, formada por PCdoB e PT o direito de ocupar a Avenida Presidente Dutra no próximo sábado (10), à noite, em movimentação política.

A tradicional “Descida do Alto de São Manoel” só teve definição hoje, através da Comissão de Segurança das Eleições 2016 em Mossoró.

A Frente Mossoró Tem Jeito pleiteava essa prerrogativa, contestando anúncio e decisão da Coligação Força do Povo (da candidata a prefeito Rosalba Ciarlini-PP e da vice Nayara Gadelha-PP) em realizar programação nesse trecho urbano nessa mesma data.

Acompanhe nosso Twitter clicando AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
  • Repet
terça-feira - 30/08/2016 - 10:12h
Para entender o Brasil

Moral é artigo em falta entre algozes e apoiadores de Dilma

Não há santos entre aliados de Temer e do lado de Dilma; falta legitimidade aos dois e ao Congresso

Por Raphael Tsavkko Garcia (Congresso em Foco)

A defesa de Dilma durante todo o dia 29 de agosto foi coalhada de frases de efeito vazias, bravatas, gritos por democracia e… mentiras. Temer, escolhido por Lula e pelo PT para ser seu vice, segue uma política de continuidade tanto na economia quanto nos cortes. Diferenças podem ser vistas na política externa e nada mais.

Discursos como os de “Temer acabou com Ciência Sem Fronteiras e o Pronatec” são enganosos. Temer pode até ter fechado a porta, mas os cortes orçamentários promovidos por Dilma já haviam inviabilizado a continuidade desses e de outros programas.

Dilma parece ter uma predileção por citar Eduardo Cunha, um exemplo de como a moral do Congresso anda baixa. Seria um trunfo, não tivesse o mesmo Cunha sido um importante aliado de Dilma e do PT e ter participado ativamente de sua primeira campanha eleitoral.

Lewandowski, Aécio Neves do PSDB e Dilma Rousseff (PT) ontem no Senado: tensão e descontração de iguais (Foto: Web)

Além disso, Cunha foi a ponte entre Dilma e os evangélicos e trabalhou pesadamente para distanciá-la da imagem de alguém que defendia o aborto (Gabriel Chalita, vice de Fernando Haddad em São Paulo, fez o mesmo trabalho junto aos católicos conservadores). Dilma soube vender essa imagem, chegando a vetar a regulamentação ao direito do aborto e a mandar uma ministra, Eleonora Menicucci, se calar sobre o tema.

Dilma afirmou ainda ter “resgatado a Petrobras”. Mais uma mentira. O PT praticamente levou a empresa à falência, a corrupção foi tamanha que resultou em queda de 1% do PIB.

Moral e ética que inexistem

Minha preocupação aqui não é se houve ou não crime de responsabilidade, ou se as pedaladas podem assim ser consideradas, e sim focar no aspecto mais básico das alianças espúrias e da total inexistência de moral e ética – de ambos os lados.

Dilma e diversas personalidades petistas e de partidos aliados acertam ao dizer que o Congresso (e mais especificamente o Senado) não tem moral para julgar Dilma. O problema é que os políticos petistas também não têm moral para defendê-la, especialmente de seus (ex-)aliados.

Cunha: aliado de Dilma em momento delicados (Foto: André Dusek/Estadão)

Sabemos que Aécio, “o derrotado”, tem inúmeros problemas que não se limitam ao aeroporto de Cláudio. Aloysio Nunes é investigado pelo STF, Agripino Maia é outro investigado por corrupção. E a história não melhora para outros senadores do PSDB, DEM, PMDB, PP etc.

Do lado petista, Gleisi Hoffmann, uma das mais vocais nos ataques aos demais senadores, esqueceu-se de que ela é investigada por (supostamente) roubar dinheiro de aposentados junto com seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo. Petistas destacados, como Lindbergh Farias, esqueceram das fotos com os agora ex-aliados que, de um dia pro outro, viraram corruptos, arautos do atraso e etc.

A senadora Vanessa Grazziotin, esta do PCdoB, já enfrentou pedido de cassação pro compra de votos e abuso de poder econômico, por exemplo. Não há santos no lado vermelho-desbotado da força.

Na turma do troca-troca temos Renan Calheiros, um dos últimos a entrar na mira do petismo radical, era em 2015 defendido por militantes do PT do que chamavam de ataques da Globo. Calheiros foi inclusive chamado de “exemplo de moralidade”, mas hoje entrou no balaio dos “golpistas”.

Como não lembrar de Kassab, arqui-inimigo do PT paulista, responsável por episódios de higienismo e violência contra manifestantes e que virou ministro da Dilma, recebeu incumbência de Lula de fundar o PSD como forma de desidratar o PMDB e… acabou ministro do PMDB e novamente inimigo do PT.

Kassab e Collor dispensam comentários.

Kátia Abreu foi uma das poucas a manter a fidelidade à Dilma e por isso foi louvada pelos apoiadores da presidente. Pena que ela seja acusada de incontáveis crimes contra indígenas e suas ações contra o MST – apoiadores de Dilma – sejam conhecidas por todos. É aquele famoso apoio que mais causa (ou deveria causar) constrangimento do que ajuda.

O QUE VEMOS NO CONGRESSO nada mais é que uma disputa de poderosos aliados e ex-aliados por poder. Gritam, brigam, babam e ameaçam em público. Na sala do café trocam amenidades e chamam para a festa de aniversário da filha. Não estou dizendo que não devem manter civilidade, mas o que vemos é algo bem além. É a conivência de elites disputando o bolo. O nosso bolo. Aquele bolo que nós nunca veremos, porque não fomos convidados para a festa.

A música popular diz “se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão”. O clichê cai como uma luva para o Congresso Nacional e não discrimina partidos. Qualquer um que acuse o adversário de uma imensa gama de crimes corre o risco de… acertar na mosca.

Pode até chutar um artigo do Código Penal sem muito medo de errar. O problema que se apresenta é menos de legitimidade de derrubar Dilma ou de manter Dilma e mais da legitimidade de manutenção do Congresso em si, do sistema político em si.

Chegamos num ponto da história tão viciado que, por exemplo, chegaram a decretar que a repressão ao protesto a favor de Dilma ocorrido na noite de seu depoimento na Avenida Paulista inauguraria um período de regressão política.

Ora, só muita falta de memória para dizer isso depois da imensa repressão patrocinada pelo PT, PSDB e demais partidos no poder em junho de 2013 ou durante a Copa do Mundo e que desembocou na lei antiterrorismo criada e aprovada pela mesma Dilma para garantir que não aconteceriam protestos durante as Olimpíadas.

A maior das ironias é que quem apanhava ontem nas ruas de São Paulo (e falo em termos de grupo, não de indivíduos) gritava “VAI PM” contra a esquerda em 2013 e 2014 e acusava a eles (ou a nós) de sermos financiados pela CIA.

DILMA CAIR sem que Temer, o vice da chapa, a siga, é um absurdo – em especial, com pesquisas mostrando que a ampla maioria dos brasileiros repudia os dois.”

O professor Pablo Ortellado comentou em reportagem do Aliás (Estadão) sobre a polarização política brasileira (veja AQUI). De um lado quem acredita piamente que Dilma e o PT são comunistas e que o Foro de São Paulo é uma organização de promoção do comunismo mundial que enfiou médicos cubanos para destruir o país.

Do outro temos teses estapafúrdias de que a crise da Petrobras só estourou porque é do interesse da CIA ou que o próprio juiz Moro, responsável pela Lava Jato, foi treinado pelo FBI.

E tais teses à esquerda, digamos assim, não vêm de qualquer um, mas de gente como Marilena Chauí ou Emir Sader, que dedicam seus dias a espalhar teorias conspiratórias. Do outro lado temos Bolsonaros e Revoltados Online com apoio dos jovens “liberais” do MBL.

No fim é um jogo de soma zero. Ou melhor, o saldo para o país é negativo. O impeachment não trará nenhuma paz ao país.

A narrativa do golpe irá permanecer no imaginário, a tentativa de apagar o passado seguirá. O PT está aliado em quase um terço das cidades do país ao PMDB, PSDB ou DEM (num dos casos em Niterói, segunda cidade do estado do Rio de Janeiro) parece não entrar na cabeça de seus apoiadores. Ou, como em São Paulo com Haddad, aliado ao PR de Magno Malta e ao Pros – além do Chalita, lembram, dos católicos antiaborto?

Movimento "black blocs" é experiência de ativismo que guarda vários ângulos de análise (Foto: arquivo)

Apesar disso, os defensores de Dilma seguem todos os dias alardeando o início de um período terrível da história a partir da posse de Temer, como se todas as maldades fossem novas e o PT nada tivesse feito.

Do outro lado ficam a desfaçatez e a franca traição (ou “golpe” nos termos de Élio Gáspari, ou seja, no sentido mais literal de um soco ou uma rasteira) do PMDB e de aliados como Kassab ou Collor. A falta de ética é patente, assim como a completa impossibilidade moral de apontar o dedo para o que, no fim, era o próprio governo deles.

Dilma cair sem que Temer, o vice da chapa, a siga, é simplesmente um absurdo de proporções brasileiras – em especial diante de pesquisas que mostram que a ampla maioria da população repudia tanto Dilma quanto Temer.

Temos, nesse bolo, perfis de redes sociais como os já citados Revoltados Online de um lado (e outros perfis menos estrelados, mas igualmente tóxicos), e perfis e páginas claramente alinhadas ao PT do outro (várias delas com mesma identidade visual e suspeitas fortes de serem mantidas por MAVs, ou militantes virtuais do PT, criados por, pasme, André Vargas, deputado cassado).

Além disso, há ainda portais claramente alinhados ao ideário da “família Bolsonaro”, em geral espalhando ódio e desinformação, e portais da rede #BlogProg (Blogueiros Progressistas), que recebem relevantes fatias de verbas federais ou recursos de sindicatos controlados pelo PT e pelo PCdoB (já apelidado de PSeudoB por muitos).

Nesse caldo, a verdade é detalhe.

Farsa do impeachment

Sequer podemos falar em versões, o que temos é apenas leituras absolutamente deturpadas e enviesadas. E usos políticos que beiram a canalhice (ou mesmo ultrapassam) de lutas sociais e movimentos sociais.

Um exemplo: Como não lembrar de um dos governistas mais raivosos e destacados, Eduardo Guimarães, agora candidato a vereador pelo PCdoB, que durante os protestos de junho de 2013 usou o paint para colocar uma suástica nazista numa bandeira negra dos black blocs a fim de criminalizar o movimento e, por tabela, acusar o MPL e todos que estavam nas ruas de serem nazistas?

Diante dessa completa degeneração de militância e mídias alinhadas, não podíamos esperar outro cenário que não o dessa completa farsa que acompanhamos pela TV. A farsa do impeachment. A farsa de aliados políticos tornados inimigos e novamente aliados ao sabor do vento enquanto claques de cada um dos lados se matam nas redes sociais espalhando mentiras e desinformação e tornando o debate político insuportável ou mesmo impossível.

O impeachment da Dilma, não se enganem, não mudará esse cenário. Teremos dois anos de imensa (e necessária) pressão contra Temer, assim como teremos a continuidade dos desmontes iniciados por Dilma que poderão mesmo ser acelerados e piorados (há espaço para isso).

E a campanha de 2018 poderá nos trazer novamente Lula, agora com um discurso extremamente vitimizado (o PT é mestre nisso, vide o mensalão), buscando ganhar votos em cima da história de um suposto golpe, apelando para as paixões inconscientes de amplos setores da esquerda que permanecem incapazes de resistir ao canto da sereia (ou do sapo barbudo, para usar a velha piada).

Nossos problemas não vão acabar tão cedo, nem começaram ontem.

Estamos apenas no meio de uma batalha que já perdemos.

* Raphael Tsavkko Garcia é jornalista e doutorando em Direitos Humanos (Universidad de Deusto, Espanha).

* Veja texto originalmente publicado no site Congresso em Foco, clicando AQUI.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Artigo
sábado - 27/08/2016 - 10:45h
Campanha 2016

Em meio à crise política, candidatos do PT disfarçam partido


Do portal G1

Candidatos a prefeito pelo PT em parte do país têm trocado o tradicional vermelho por outras cores e escondido o principal símbolo do partido: a estrela.

Adversários políticos dos petistas dizem que os candidatos têm adotado essa estratégia para descolar as imagens deles da sigla.

Desgastado em razão do processo de impeachment de Dilma Rousseff e dos escândalos da Operação Lava Jato, o PT terá, nesta eleição, quase metade dos candidatos a prefeito em comparação com 2012: 992.

O PT de São José dos Campos-SP ficou azul com toque amarelo (Foto: Reprodução)

Em São José dos Campos (SP), o prefeito e candidato à reeleição Carlinhos Almeida decidiu trocar o vermelho pelo azul e pelo amarelo (cores características do rival PSDB). Também aboliu a estrela; no lugar, há um coração.

“Fui eleito por uma aliança de diferentes forças e nossa candidatura à reeleição também é fruto da união da várias visões em favor de São José. Assim como na eleição passada, nossas cores representam isso. Eu e o Dr. Macedo Bastos lideramos um grupo de dez partidos unidos sob a bandeira da cidade”, afirma o candidato.

Em Maceió, o candidato Paulão abusa do amarelo e do roxo na página da campanha no Facebook. A estrela não recebe destaque. Só o número 13 é que figura em vermelho. Trata-se de um visual bem diferente da página oficial do candidato, que é deputado federal, onde a estrela do PT ocupa o centro da foto, maior inclusive que a imagem dele.

Ideais petistas

“Existe uma tendência na suavização das cores no material de campanha. É uma questão gráfica, que vem evoluindo com o passar do tempo. Mas não tem nada a ver com ruptura ou desvinculação com a imagem do partido. O candidato continua firme nos ideais petistas. Ele, inclusive, sempre que pode, faz questão de utilizar as cores do partido durante as convenções ou encontros partidários”, afirma a assessoria de Paulão.

Em Londrina (PR), a campanha do candidato Odarlone Orente também não destaca a estrela. Ela aparece acanhada antes do cargo que ele pretende ocupar, assim como em outras cidades, em que a estrela aparece quase imperceptível no nome dos candidatos.

Em Brusque-SC, o PT quase não é percebido como partido na propaganda (Foto: reprodução)

Procurado, Orente diz que o círculo em volta do número representa a “infinitude, a relação que não se rompe e a aliança que quer ter com a cidade”. “A estrela a gente vai continuar utilizando, ela está no material e continuará sendo utilizada. Até porque o candidato é do PT, não tem como fugir disso. Sou filiado desde 1999.”

Sobre as tonalidades usadas ao fundo (laranja e amarelo), diz que representa um novo “amanhecer”, que ele e sua equipe querem para a cidade.

“A campanha buscou fugir do tradicional, é uma campanha jovem, por isso há algumas cores diferentes”, afirma ele, que ressalta, no entanto, que “em nenhum momento foi descaracterizado o partido”. “Não há como dissociar a minha figura do Partido dos Trabalhadores.”

Decisão de comum acordo

Em Brusque, o candidato Gustavo Halfpap também não usa o vermelho nem sequer no número. A estrela também não aparece. “Nós fizemos assim porque são as cores da nossa cidade. Também temos uma coligação com outros partidos, o PV, o PTC. Foi uma decisão de comum acordo e orientada pela nossa equipe de marketing. São as cores da nossa cidade”, diz.

Propaganda de Haddad encolheu número e diminuiu impacto do vermelho (Foto: reprodução)

Em São Paulo, o atual prefeito e candidato à reeleição Fernando Haddad divulgou a foto da campanha com uma estrela tímida dentro do 13 apenas. Mas outros materiais, como adesivos, apareceram depois com a estrela em destaque.

Questionado na quinta (25) se o PT pediu que a estrela fosse ampliada, Haddad afirmou: “Não houve nada disso. A decisão é sempre minha”. “Eu que tomo decisão sobre o layout da campanha.” Perguntado por que resolveu colocá-la pequena dentro do número, disse: “Tomei [a decisão] porque quis. Achei que ficou bonito assim.”

Contraponto

Essa não tem sido a tônica em todos os estados, no entanto. Em Fortaleza (CE), a candidata Luizianne Lins não só preserva a estrela, como utiliza várias delas. Também faz questão do vermelho-símbolo.

Na propaganda gratuita da TV, aparece, inclusive, entrando em um Fusca vermelho com o vice.

Em Fortaleza-CE e Boa Vista-RR a coragem de ser o que é e enfrentar tempestades (Foto: reprodução)

Em Boa Vista (RR), o professor Roberto Ramos também não abandonou o vermelho nem a estrela, pelo contrário.

Avaliação do PT

O vice-presidente nacional do PT, José Guimarães, diz que adotar uma tática de esconder os símbolos do partido é “dar um tiro no pé”.

“Essa é uma guerra que alguns setores da mídia querem fazer, que há gente escondendo a estrela. Se alguém estiver fazendo isso, é uma burrice, porque o partido, mesmo com todo o massacre em cima, para surpresa de alguns e tristeza dos mais conservadores está na frente em todas as pesquisas. Portanto, é uma burrice usar essa estratégia. O Lula é o maior transferidor de votos no Nordeste e em várias partes do Brasil.”

“Se o Haddad tiver que se eleger prefeito, e eu acho que ele vai crescer e vai conseguir, ele vai se eleger todo mundo sabendo que ele é do PT. Ninguém nega o que é na vida.”

Veja matéria originalmente na página do G1 clicando AQUI.

Nota do Blog – Em Natal, a chapa deputado Fernando Mineiro (PT)-advogada Carla Tatiane (PCdoB) também suaviza a estrela e o vermelho, que fazem parte da simbologia petista.

Apresentam-se em fotografia oficial da campanha sem eles.

Fernando e sua vice: tudo branco, sem estrela, sem o vermelho (Foto: divulgação)

A aposta é num branco límpido, quase diáfano.

O marketing pode muito, mas não pode tudo. Essa camuflagem pode até atenuar o impacto das nuvens carregadas sobre o partido, mas não é capaz de milagres.

O PT tem que enfrentar a tempestade de cabeça erguida, cara limpa, com estrela e seu vermelho, apresentando o que tem de positivo e fazendo um mea culpa.

Errou, errou muito, mas também tem suas virtudes. Precisa refletir sobre tudo, parando de se escorar no velho complexo de transferência de culpa.

Quando o partido completava 24 anos em 2003, Lula chegou a afirmar:

- Nós não podemos errar, não temos o direito de errar e não temos o direito de fracassar. (Veja AQUI).

Errou ele, errou o PT.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
sábado - 27/08/2016 - 08:14h
Mossoró

Líderes estaduais têm pouco a oferecer à sucessão municipal


Qual o peso – na atual campanha municipal – de lideranças estaduais que num passado até recente eram muito aguardadas nos palanques políticos, em Mossoró?

Será que existe apenas um esvaziamento da influência de tradicionais lideranças locais (como abordado pelo Blog ontem – veja AQUI), ou também essas expressões de nível estadual estão em baixa?

Garibaldi e Fátima são lideranças que podem ser importantes à campanha municipal (Foto: montagem)

Os primeiros dias de campanha não empolgaram o eleitor. Os próprios candidatos apostam numa programação inicial com limitações que estão longe das manifestações do passado, quando ocorriam comícios, passeatas e carreatas expressivos.

Por enquanto, o ambiente mais efervescente é a Internet e suas redes sociais, com as campanhas descarregando propaganda e fomentando participação de seus militantes, numa guerra que é irreal diante do que é visto nas ruas. São dois mundos distintos.

Robinson Faria

No palanque do atual prefeito e candidato à reeleição, Francisco José Júnior (PSD), é difícil que apareça o líder estadual do seu partido que teve votações maciças ao Governo do Estado em Mossoró, governador Robinson Faria (PSD).

Até aqui, ele refugou até mesmo presença na convenção partidária do prefeito no início deste mês, num ambiente plenamente favorável. Escalou o filho e deputado federal Fábio Faria para esse fim.

Os dois têm profundo desgaste público no município, capaz de provocar um efeito oposto à energia de uma fusão nuclear: queda livre mais acentuada de ambos.

Henrique e Garibaldi

No palanque de Rosalba Ciarlini (PP), ex-governadora, liderança como do ex-ministro e ex-deputado federal Henrique Alves (PMDB) não é vista como salutar, em face do seu envolvimento com escândalos de repercussão nacional.

Outro apoio, após anos sendo satanizada pelo rosalbismo, seria da ex-governadora e hoje candidata a vereador em Natal, Wilma de Faria (PTdoB). Por Mossoró, também não deve aparecer, mesmo tendo sido uma governante com bom acervo de realizações para o município.

Quanto ao senador Garibaldi Filho (PMDB), há maior leveza. Teoricamente pode acrescentar ao lado do seu PMDB à campanha de Rosalba, pois sofre menor desgaste e passa incólume a tsunami de escândalos nacionais.

Agripino

Em relação ao candidato Tião Couto (PSDB), seu partido já contou e deve contar com a presença do seu presidente estadual em Mossoró, deputado federal Rogério Marinho. Mas ele tem muito mais a capitalizar para 2018 do que acrescentar à votação do candidato Tião agora.

Henrique e Agripino: dois palanques (Foto: Câmara Federal)

Outro nome com Tião, é do senador José Agripino (DEM). Sua trajetória política em Mossoró sempre foi vinculada ao casal Rosalba-ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado. Hoje, sua referência local é a ex-prefeita Cláudia Regina (DEM) que levou o DEM para Tião Couto.

A participação de Agripino, do ponto de vista da imagem pessoal, num momento que o país caminha para fim da era PT, pode acrescentar ao discurso da chapa Tião-Jorge do Rosário (PR), mas provavelmente de forma residual.

O ex-deputado federal João Maia, dirigente estadual do PR, trabalhou para levar seu partido à coligação de Rosalba. Deverá ficar distante da sucessão, num colégio eleitoral em que tem escassa influência sua.

Fátima Bezerra

Com a candidatura de Gutemberg Dias (PCdoB), que traz como vice uma jovem militante do PT, Rayane Andrade, temos a atração esperada da senadora Fátima Bezerra (PT). Deve catalisar a participação da militância petista, mesmo num momento de desgaste de seu partido no plano nacional e flacidez local.

Já o candidato a prefeito Josué Moreira (PSDC), não tem qualquer político de expressão estadual o apoiando. O nome de maior representatividade é do vereador natalense e advogado Joanilson de Paula Rêgo.

Ele é dirigente da executiva do PSDC no Rio Grande do Norte, com largo conceito no meio forense, mas sem peso eleitoral em Mossoró.

Como chegou a definir o senador Garibaldi Filho sobre a política mossoroense, à época em que ainda era governador do Estado, “Mossoró é muito difícil”.  Se é! Ô!

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Eleições 2016 / Política
segunda-feira - 08/08/2016 - 09:30h
Sopinha de letras

Chega a 31 o total de partidos na campanha 2016 em Mossoró


Ao todo, 30 partidos vão participar das eleições municipais de Mossoró este ano. No momento, ou seja, por enquanto, o Brasil tem 35 partidos registrados oficialmente no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – Veja AQUI pequeno histórico de cada um).

O campeão em quantitativo é a coligação em torno da candidatura à reeleição do prefeito Francisco José Júnior (PSD). Serão 14 agremiações.

Os partidos que o apoiam são estes: PSD, PEN, PMB, PMN, PPL, PPS, PRB, PROS, PRTB, PSC, PTC, SDD, PTN e PV.

A segunda candidatura com maior “engorda” é a da ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP).

Está arrimada por sete partidos: PP, PSB, PDT, PMDB, PTB, PTdoB e PHS.

Atrás de ambos está Tião Couto (PSDB), com cinco partidos.

Com ele estão  PSDB, PR, DEM, PSL e PRP.

A candidatura de Gutemberg Dias (PCdoB) tem coligação de outra legenda, o PT.

O mesmo número de partidos envolve o candidato a prefeito Josué Moreira (PSDC), acompanhado pelo PSOL.

Já o PSTU terá apenas chapa proporcional, com três candidatos a vereador e sem apoiar qualquer nome a prefeito.

Em 2012

Em 2012, último pleito municipal, 24 partidos participaram da luta pelo voto, rivalizando-se em especial em dois palanques.

A “Coligação Frente Popular Mossoró Mais Feliz”, da candidata Larissa Rosado (PSB), amealhou a companhia de  14, mesmo número alcançado hoje por Francisco José. Só que ela estava condição de oposicionista.

Os partidos eram estes: PT do B, PRP, PC do B, PSD, PTC, PRB, PP, PPS, PHS, PSB, PTB, PT, PDT e PPL.

Eles formaram três coligações, assim distribuídas: PT do B, PRP e PC do B; PSB, PTB, PT, PDT e PPL; PSD, PTC, PRB, PP, PPS e PHS.

Já a então vereadora Cláudia Regina (DEM) tinha nove partidos na “Coligação Força do Povo”. Mesmo com apoio da então prefeita Fafá Rosado (DEM, hoje no PMDB).

Eram essas as siglas: DEM, PMDB, PV, PSL, PSC, PTN, PSDB, PR e PMN.

Esses partidos inscreveram 120 candidatos a vereador em quatro coligações: DEM, PR e PMN; PMDB e PSC; PTN e PSDB; PV e PSL.

O PSDC teve o professor Josué Moreira como candidato a prefeito, com 23 concorrentes a vereador.

O PSOL apresentou Raimundo Nonato Sobrinho, “Cinquentinha”, a prefeito, também sem fazer coligação. Juntou cinco candidatos a vereador.

O PRTB teve Ednaldo Calixto como candidato a prefeito e oito nomes a vereador.

PMDB campeão

Veja AQUI como cada partido se comportou eleitoralmente em 2012, remetendo a comparativo ainda ao ano de 2008. O campeão de votos foi o PMDB, que alcançou o primeiro lugar em votação cumulativa de seus candidatos (e legenda), além de eleger três representantes: Alex Moacir, Claudionor dos Santos e Izabel Montenegro.

* Um apelo para quem for utilizar essas informações: por favor,  por respeito ao suor da pesquisa e à lei, cite a fonte. Não é feio nem humilhante, mas é ridículo e traduz complexo de inferioridade, não fazê-lo. Pense nisso.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
  • Repet
sexta-feira - 29/07/2016 - 15:46h
São Gonçalo do Amarante

PR e PT fecham chapa à sucessão municipal


Do Blog de Thaísa Galvão

Chapa fechada no sistema governista em São Gonçalo do Amarante reunindo o PR e o PT.

O pré-candidato a prefeito Paulinho da Habitação terá como vice o vereador e presidente estadual do PR, Eraldo Paiva.

A chapa tem apoio do atual prefeito Jaime Calado e da deputada federal Zenaide Maia.

A convenção para homologar a chapa será neste domingo, 31, no ginásio do conjunto Amarante a partir das 16h.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

 

Categoria(s): Política
quinta-feira - 28/07/2016 - 00:26h
Mossoró

PCdoB tem nome petista definido como vice


Rayane: de Goiás (Foto: redes sociais)

Gutemberg Dias (PCdoB), pré-candidato a prefeito pela aliança PCdoB-PT, terá a estudante universitária Rayane Andrade (PT) como sua vice.

Ela é originária de Goiás e acadêmica de Direito na Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA).

A formalização da chapa e da aliança será no próximo sábado (3)), às 9h, na Escola de Artes de Mossoró.

A aliança entre os dois partidos também ocorrerá na chapa proporcional.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
quinta-feira - 21/07/2016 - 17:18h
Natal

Fátima garante que Lula estará em campanha de Mineiro


Em reunião com a senadora Fátima Bezerra (PT) e com o pré-candidato a prefeito de Natal, Fernando Mineiro (PT), realizada na quarta-feira (20), em São Paulo (Veja AQUI), o ex-presidente Lula afirmou que vai participar com “todo o gás” da campanha deste ano em todo o país.

Lula anunciou que Natal está dentro das prioridades do partido, e, por isso, já na segunda quinzena de agosto estará no RN pedindo votos para Mineiro.

O PT de Natal fará sua convenção no dia dia 30 de julho e contará com a presença de Rui Falcão, dirigente nacional da legenda.

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
sábado - 16/07/2016 - 12:15h
Vá entender!

O dia em que o PT ajudou a ressuscitar o DEM


A era PT quase dizimou um dos símbolos da direita no Brasil, o DEM, outrora PFL, filho do PDS, antecedido pela Arena, bisneto da UDN.

O partido mudou de nome e esteve a ponto de se fundir ao PSDB.

Ou simplesmente desaparecer no mapa partidário brasileiro.

Hoje, não.

Está todo prosa e revitalizado.

O mesmo PT conseguiu algo paradoxal, em relação aos seus discursos e ações: ressuscitou o DEM, seu arquirrival.

A eleição do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara Federal, com apoio maciço do PT (veja AQUI e AQUI), por puro ódio cego do afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é de uma estupidez sem dimensão.

Apesar de ter opções à esquerda, a grande maioria da sigla optou por Maia – parente do senador e presidente nacional do DEM, Agripino Maia.

Fazia mais de 20 anos que o DEM não tinha essa cadeira em suas mãos, ou nádegas, como queira.

Vá entender!

Acompanhe nosso Twitter AQUI. Notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
  • Repet
domingo - 10/07/2016 - 03:54h
Mossoró

Gutemberg Dias é apresentado como pré-candidato a prefeito


O geólogo, ex-secretário do Planejamento da Prefeitura de Mossoró e ex-candidato a prefeito (2014) Gutemberg Dias (PCdoB) é o mais novo pré-candidato a prefeito de Mossoró. O anúncio formal do seu nome ocorreu nesse sábado (9).

Gutemberg Dias: apoio do PT (Foto: redes sociais)

Dias foi apresentado como pré-candidato pelo presidente do PT mossoroense, Nelson Gregório, partido que se associa ao PCdoB nessa aliança. “Nessa jornada estamos unindo o PCdoB e o PT inicialmente, mas temos a certeza que novos parceiros virão”, disse Gutemberg Dias na sede do PT, local do anúncio.

Presidente local do PCdoB, o pré-candidato avisou: “Nossa caminhada será pautada no debate de ideias e em propostas propositivas que serão objeto de análise do cidadão mossoroense.”

Os dois partidos vão afunilar discussões para formação de chapa proporcional. A montagem completa da chapa majoritária dependerá do próprio PT.

Ampliação

Expectativa de Gutemberg Dias é que outros partidos possam se juntar a PCdoB e PT prazo final das convenções, dia 31 deste mês.

PT e PCdoB são aliados históricos em Mossoró, mas que se separaram em 2014.

Em 2012, o PT fez composição com o PSB, indicando Josivan Barbosa a vice da então deputada estadual Larissa Rosado (PSB). O PCdoB participou dessa aliança, denominada de “Frente Popular Mossoró Mais Feliz” (PRB / PP / PDT / PT / PTB / PPS / PHS / PTC / PSB / PRP / PPL / PSD / PC do B / PT do B).

Na no pleito suplementar, o PT foi vice de Francisco José Júnior (PSD), com o vereador Luiz Carlos Martins (PT). Mas o PCdoB optou por candidatura própria, com Gutemberg.

Portanto é a segunda vez que ele será candidato à Prefeitura de Mossoró.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
sexta-feira - 08/07/2016 - 21:46h
Amanhã

PCdoB e PT deverão lançar Gutemberg Dias a prefeito


Gutemberg: nome à cabeça (Foto: arquivo)

Sobraram PT e PCdoB. Os dois partidos estão dispostos à montagem de aliança com chapas à Prefeitura de Mossoró e à Câmara Municipal.

Às 9h desse sábado (9), na sede do PT em Mossoró, Os dois partidos deverão anunciar formalmente essa composição.

O ex-candidato a prefeito Gutemberg Dias (PCdoB) é a aposta a ser anunciada pelos dois partidos à cabeça de chapa, numa situação inédita.

Aliança ampliada

Em outros momentos de campanhas municipais, os dois partidos fizeram composição, mas nunca o PT cedeu o lugar de candidato a prefeito para o PCdoB.

Quanto a PDT e PSol, que começaram série de reuniões com PT e PCdoB, ocorreu dispersão. Mas ainda se alimenta entre dirigentes petistas e comunistas, esperança de que possam refluir, firmando aliança.

Aguardemos, pois.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
terça-feira - 05/07/2016 - 10:38h
Mossoró

Grupo de partidos começa a sofrer deserções


“O PCdoB e o PT continuam firmes no propósito de unir forças e apresentar uma proposta política ao povo de Mossoró”. A declaração é do presidente do PCdoB em Mossoró e ex-secretário do Planejamento do Governo Francisco José Júnior (PSD), Gutemberg Dias.

Ele participou de mais uma reunião do Grupo de Trabalho, à noite dessa segunda-feira (4), na sede do PT mossoroense, ao lado ainda de representantes do PDT e PSOl.

O PDT sinalizou com possibilidade de sair do grupo. Não deve apresentar candidatura própria à Prefeitura. Pode se compor com outro grupo de oposição municipal.

Dificuldades

O PSol tem dificuldades de ficar sem outros partidos que ele já conversa, como o PSDC e Rede.

“Independente dessas legendas vamos continuar dialogando com outras como PPS, PRB e estamos abrindo conversação com o PSB”, diz Gutemberg Dias, que mantém pré-candidatura a prefeito e espera juntar outras legendas ao projeto.

“Acredito que temos um grande caminho a ser seguido e o horizonte está aberto para uma proposta como essa que estamos construindo. Temos conteúdo para mostrar a sociedade e debater com os nomes já postos como pré-candidatos”, avisa ele, sem colocar seu nome como uma imposição, mas sim “uma opção”.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
segunda-feira - 04/07/2016 - 18:10h
Mossoró

Partidos voltam a se reunir em busca de entendimento


Acontece hoje à noite mais uma reunião do Grupo de Trabalho, com representantes do PCdoB, PT, PDT e Psol em Mossoró.

Há mais de duas semanas eles estão nessa peleja.

Na pauta, busca por afinação para aliança com vistas às eleições deste ano.

Já disse e vou repetir: não credito no entendimento (veja AQUI).

Apesar de algumas afinações entre eles, os conflitos e as desconfianças são maiores (veja AQUI).

Aguardemos, pois.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
quinta-feira - 23/06/2016 - 21:29h
Faz sentido

Partidos têm convivência marcada pela “desconfiança”


PT, PCdoB, PDT e PSOL criaram o que denominam de “Grupo de Trabalho” (veja AQUI). Hoje, a propósito, fazem nova reunião.

Buscam traçar pontos de afinidade, na construção de uma aliança à sucessão mossoroense.

Mas a grande marca do grupo é “a desconfiança.”

Quem definiu assim a convivência desses partidos, foi o vereador pedetista Genivan Vale, em entrevista hoje ao programa “Cenário Político”, da TV Cabo Mossoró (TCM).

Faz sentido.

PT e PCdoB falam em coalizão à disputa municipal, mas não largam a “rapadura” (cargos) no governo Francisco José Júnior (PSD).

O PDT já anunciou há algumas semanas a disposição de ter candidato próprio a prefeito.

O PSOL desconfia de tudo e de todos.

Acompanhe também nosso Twitter AQUI com notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
domingo - 19/06/2016 - 12:35h
Sucessão municipal

Grupo de Trabalho tentará pavimentar caminho para aliança


Será amanhã (segunda-feira, 20), às 18h, na sede do PT mossoroense, a primeira reunião de “Grupo de Trabalho” composto por representantes locais do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Democrático Trabalhista (PDT) e Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Reunião de quinta-feira ruma para um entendimento muito difícil (Foto: cedida)

Foi criado para analisar e definir ações que poderão ser adotadas pelas correntes partidárias com vistas às eleições municipais deste ano. A formação da comissão foi o resultado da reunião realizada na quinta-feira (16) entre lideranças das quatro siglas, na sede do PT.

Ausência

O grupo é formado por dois representantes de cada partido, sendo o presidente do diretório municipal e um membro da executiva. O Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB), que havia sinalizado participação no encontro de quinta-feira, não foi representado, mas justificou a ausência em virtude de outro compromisso do presidente do diretório.

O objetivo é fazer o alinhamento dos interesses políticos de todas as correntes envolvidas, a fim de que, até o dia 30 deste mês, haja uma definição sobre a continuidade ou não do bloco, segundo informa o presidente do Comitê Municipal do PCdoB, Gutemberg Dias.

Dificuldades

A união desses partidos, num único bloco, é perto do impossível, em se analisando retrospecto da política local nas disputas municipais e os interesses conflitantes na atualidade.

PDT, por exemplo, é visceralmente opositor ao governo Francisco José Júnior (PSD). O PCdoB, é intrinsecamente ligado ao governismo municipal.

Já o PT, internamente não se entende. Uma parte deixou o Governo Municipal em prantos. Outras tendências, saíram atirando e não querem olhar para trás.

O Psol é historicamente contra tudo e todos. Nas últimas campanhas municipais atuou em faixa própria. É pouco provável que se componha com quem conversa e abra mão de cabeça de chapa.

Enfim, um grande fosso separa os participantes das discussões da sonhada aliança comum. Mas não é impossível. Em política, impossível é “elefante voar”.

Acompanhe também nosso Twitter AQUI com notas e comentários mais ágeis.

Categoria(s): Política
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.